quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Velha Escola

Frente

Esta é nossa Loja
E o Vinil é peça fundamental para dar som ambiente
Aba Reta

Varias cores e modelos


Melhores preços
Aba Reta Masculino e feminino


video
Endereço: Rua José Pereira Cruz, 209
Parque Bristol - Jardim São Savério
Vila Caraguatá - Vila Liviiero - Jardim Climax
São Paulo - SP - Brasil

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Parceria dos Racionais com a Nike: o que a periferia tem haver com isso?

Que as organizações de Hip Hop retornem as suas bases sociais com urgência, que transformem suas ONGs em movimentos sócio-políticos independente dos governos e do capital, pois a ONG nada mais é do que "o braço solidário do imperialismo" para ganhar as bases sociais dos movimentos revolucionários para o Estado.


Acho interessante a polêmica que se construiu em torno da possível parceria Racionais/Nike e quero aproveitar o momento para lançar algumas reflexões. É indiscutível a importância que este grupo de rap teve e ainda tem para a juventude negra de todo o Brasil. Eu mesmo devo muito aos racionais pelo que eu sou hoje, inclusive em uma das músicas do cd do meu grupo rap eu falo ?meus heróis eu conheci no Hip Hop não na escola/ professor desinformado deturpou minha história/ ora bolas minha senhora ver se pode? / meus primeiros professores foram racionais e GOG? (Herói de Preto é Preto).

Há alguns anos atrás li um artigo, não lembro de quem, falando que o que o Hip Hop fez em menos de dez anos o que o movimento negro não conseguiu fazer em mais de vinte anos. O Hip Hop conseguiu dialogar com o setor mais oprimido, explorado e excluído da classe trabalhadora do Brasil, alias o Hip Hop é formado fundamentalmente por esse setor.

E é essa resistência e capacidade de despertar a indignação da juventude negra e formar intelectuais orgânicos na periferia que a racista burguesia brasileira quer dilacerar.Em um documento escrito há cinco anos atrás eu dizia que o Hip Hop brasileiro cresceu e se fortaleceu a margem dessa tríade capitalista e que, infelizmente, o seu enfraquecimento político é resultado da inversão desta postura.

Nos últimos cincos anos acompanhamos a aparição de diversos grupos de Hip Hop na Globo, encontros com o governo Lula, inúmeros projetos com prefeituras neoliberais e parcerias com empresas multinacionais, sem contar a avalanche de ONG?s especializadas em Hip Hop que se espalharam feitos pragas por todo o Brasil. O Hip Hop militante do nordeste virou pó institucionalizado, restando poucas organizações como o Quilombo Urbano que tenta reconstruir o Hip Hop militante e revolucionário desta região.

Quem tanto denunciou a opressão contra os pretos, se calou perante a vergonhosa ocupação do Haiti liderada pelo governo Lula a mando de Bush, silenciaram também sobre as ocupações da Força de Segurança Nacional em favelas, morros e bairros majoritariamente negros em todo o país. Falo isso em termos majoritário, pois as exceções só confirmam a regra.

No Maranhão chegou-se a dois absurdos emblemáticos a esse respeito: a completa ausência das ONG?s de Hip Hop e do Movimento Negro nos atos de denúncia do linchamento do artista Gero por policias militares e civis do governo de Jackson Lago e o mais recente e ridículo papel destas mesmas organizações na tentativa esvaziar e enfraquecer a 3ª marcha da periferia organizada pelo Quilombo Urbano para pressionar o Estado a estender seu braço social na periferia (quanto a isso ver matéria ?Governo e CUFA Versus 3ª Marcha da Periferia).

Em suma, em nosso entendimento, não é apenas financeiro o objetivo da Nike junto ao grupo Racionais, mas é acima de tudo político. Ao contrário da maioria do nosso povo, a burguesia tem consciência histórica, sabe se antecipar aos fatos, sabe se precaver. Eles sabem que as periferias de todo planeta viraram verdadeiros barris de pólvoras preste a explodir.

A França mostrou o caminho. A juventude negra e imigrante daquele país encabeçou um das maiores insurreições populares da sua recente história. Em maio de 2005 mais de quinze cidades foram paradas, inclusive Paris, e isso obrigou o governo a criar, sob o calor da insurreição, um programa de geração de emprego para aquela juventude, quando o seu objetivo era justamente inverso. Sabe qual foi à música acusada de ter insuflado aquela revolta? Isso mesmo, o rap!!! Logo em seguida o parlamento francês se viu obrigado a votar uma lei de censura a determinadas canções de rap.

Veja que interessante: o Hip Hop embalando uma revolta vitoriosa da juventude das periferias francesas contra o neoliberalismo! !!. Na Grécia a também juventude de periferia está protagonizando novas e importantes revoltas populares. Esse fenômeno tende a se mundializar com a crise do capital.Já imaginaram um Racionais, um GOG, um Facção Central, um MV Bill a frente de um processo como este. Um detalhe importante, salvo engano, acho que são poucos os países do mundo que tem uma periferia tão instável como a nossa. E a burguesia brasileira sabe que a nossas periferias respiram Hip Hop, só que eles também sabem transformar oxigênio em gás carbônico.

O momento que estamos vivendo é ímpar.

Nossa geração nunca viveu uma crise econômica do capitalismo tão profunda e grave com a atual, talvez em proporções bem maiores que a de 1929. Segundo Gramsci, é nesses momentos que a burguesia utiliza a política do ?transformismo? , isto é, na impossibilidade de atender minimamente as necessidades básicas do povo pobre, ela opta por cooptar suas principais lideranças que tentarão legitimá-la junto aos pobres.

A parceria CUFA/Globo/UNICEF não é atoa, assim como será atoa a parceria Racionais/ Nike, caso se consolide. Em fim, quanto maior a crise maior será a tentativa de cooptação.Os Estados Unidos, durante o governo de Clinton, enfrentou uma crise de grandes proporções que afetou principalmente a população negra, latina e feminina daquele país e o que fez o governo? Simplesmente criou diversas ?secretarias simbólicas? com representantes desses setores, não para elaborar políticas para reverter a penalização de suas demandas sociais, mas para legitimar os ataques do governo. Entretanto, a questão, a saber, é até onde eles podem ir? Pois, as crises pressupõem também escassez de recursos e de fato muitas ONG?s estão quebrando em decorrência dela.

Essa é a sinuca de bico que a periferia e seus organismos políticos se encontram afinal.

Assim que Lula assumiu, o intelectual e militante de esquerda, James Petras, anunciava que havia dois setores fundamentais que FHC não conseguiu controlar definitivamente durante o seu governo: um era os sem-terras e o outro era os favelados. Palmas para Lula!!!.

A questão da reforma agrária simplesmente saiu da pauta, o MST recuou como nunca. No Maranhão estão mobilizando suas bases sociais em favor do corrupto e pró- agronegócio governo de Jackson Lago , mas não estiveram juntos aos professores na época que estes estiveram em uma heróica greve contra esse mesmo governo.

Por outro lado, a política de assentamento do governo Lula é tão ridícula quanto à de FHC, mais de 90% do crédito agrário deste governo vai para o agronegócio, enquanto os pequenos agricultores endividam-se.Em relação aos favelados, ao mesmo tempo em que o governo bate (com o fortalecimento do Estado policial) ele assopra (com o financiamento de ONG?s de Hip Hop). Infelizmente, a mais importante força política da periferia, ou seja, o Hip Hop é uma das principais vitimas do ?transformismo? da burguesia na atualidade.É preciso Recompor as Forças.

O Racionais já cumpriu seu papel político; despertou a consciência crítica de milhões de jovens negros e pobres deste país, o que não os isentam de críticas. Que eles optem entre viver de cabeça erguida com a periferia ou morrer de joelhos dobrados perante a burguesia.Para a periferia o que está em jogo no momento é sua sobrevivência política. Tanto nós quanto o capital precisam recompor suas forças diante da crise e só um conseguirá ser exitoso.

Para a burguesia, resta aumentar a exploração sobre os pobres, destruir direitos sociais, pressionar o governo a desviar verbas públicas para o setor privado e como remédio letal mais polícia para a periferia..

Segundo dados da própria ONU, o dinheiro que já foi desviado dos cofres públicos para salvar capitalistas falidos só durante essa crise daria para resolver o problema da fome em todo mundo por 16 vezes.

No Brasil Lula já injetou mais 360 bilhões de reais para salvar banqueiros, latifundiário e demais capitalistas falidos, enquanto que na educação já promoveu um corte de quase mais de 2 bilhões de reais.

A saída da crise para a burguesia significará mais barbárie capitalista para a periferia. Não é atoa que no congresso está tramitando um projeto que autoriza as forças policias a adentrarem em qualquer casa sem mandato de busca.

É evidente que isso já acontece na velha perifa, mas caso o projeto seja aprovado isso ocorrerá com mais freqüência. Esse é só mais um projeto de criminalização da pobreza que se ampliará com a crise.

Para a periferia e a classe trabalhadora em seu conjunto está colocada à possibilidade histórica de ruptura com o capital, não haverá saída por dentro das estruturas..E para isso não nos resta outra saída a não ser organização política e coletiva. Como diz o rapper P.R.C. do Quilombo Urbano ?o coletivo é o bem maior/ antes junto do que só?.

Que as organizações de Hip Hop retornem as suas bases sociais com urgência, que transformem suas ONGs em movimentos sócio-políticos independente dos governos e do capital, pois a ONG nada mais é do que "o braço solidário do imperialismo" para ganhar as bases sociais dos movimentos revolucionários para o Estado.
Que os grupos de rap de ponta sejam mais solidários com a periferia de fato, na ação cotidiana e não só nas músicas. Que compreendam que são menores que as necessidades coletivas da periferia.

Permitir que os negros desabafassem culturalmente suas angustias, era a tática defendida nos sermões do reacionário Padre Antônio Vieira durante a escravidão, pois ele, sabiamente, acreditava que assim a possibilidade de revolta escrava seria bem menor. Será mesmo que o Hip Hop vai ser esse remédio terapêutico que o capitalismo tanto precisa nesse momento de crise para evitar que a bomba "H" (humana) da periferia exploda em suas mão, eu particularmente espero que não.

É importante que entendamos que a periferia é bem maior que nossos amigos da "Vida Loka" e que cada decisão tomada a partir de agora é como se estivéssemos aos 45 do segundo. Se seremos salvos e perdoados é outro assunto, porém não podemos deixar que nossos sonhos coletivos sejam crucificados por "nomes estrangeiros que estão em nosso meio pra matar, M.E.R.D.A."

São Luís-Maranhão- Brasil 20 de Dezembro de 2008.

Hertz é militante do Movimento Hip Hop "Quilombo Urbano", vocalista do grupo de rap Gíria Vermelha

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

NUCLEO CULTURAL PODER E REVOLUÇÃO INFORMA:

Estamos prestes a entregar para a prefeitura a nossa Maloka.
Depois de varios anos.
Varios Eventos
saraus
oficinas
shows
debates
paletras

Tristezas e alegrias.

Mas não pararemos
em 2009 estaremos a principio atuando no endereço abaixo

Rua: Jose Pereira Cruz , 209
Bairro: Parque Bristol - SP
Cep: 04193-050
Escreva para nós.

Onde ja funciona uma loja de Bones
.
e logo mas vendas de revistas, livros e cds

E la sera por enquanto nossa Biblioteca
Os emprestimos continua
Então não interrompa sua leitura.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

A Companhia LTDA e o pensamento ultrapassado

“Você não me escuta.
Ou não entende o que eu falo.
Procuro te dar um toque.
E sou chamado de preto otário.
Atrasado, revoltado.
(...)
Planejam nossa extinção
esse é o título da nossa revolução”

Negro Limitado

Racionais MC´s

No brasil colonia, reverencia-se madonna e diz-se fora ao bush.
Ninguém entendeu que é o mesmo? Que a libertinagem é política, colonialista, além de sexual?
Quem discorda, aponta as crises, as falhas, as incoerências, e quer partir pras cabeças,
mas é chamado de otário.
Na era da auto promoção, com blogs cheios de fotos dos artista-pessoais autocriados, com poses malvadas e nenhuma arma, difícil é dizer não ao “gramur” e se concentrar no trabalho cotidiano, pequeno e desconhecido. Trabalho que não salva, mas ajuda a se defender, cria possibilidades, revoltas e põe medo nas elites.
Atrasados, revoltados (pretos otários), mas não estamos aqui à passeio, não somos ponto turístico, não somos limitados e não estamos à venda.
E você que se arme.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

SAÍDA

ela tentou passar sem culpa.
A chave de fenda na nuca
inda não surtia efeito.
Que jeito.
Do fim ao e-mail
sabia-se que sofria.

Nesse dia,
teve medo de morrer e não morria.
Chovia
cadáveres na Vila Alpina
- Ela passou e escutou gritos de dentro.
Lamentos
que lhe sorriam.

Sabia-se que calava.
uma palavra.
não ia.

Sabia que merecia
a lua inteirinha
sangrando debaixo do beco
(Vermelho rio de ternura
esgotando no bueiro).

Toda partida é começo?

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Gravação para especial fim de anos Manos e Minas no Buzão Circular `Periferico


Domingo das gravações do "especial de final de ano"........foram eles. Michel da Silva de Pirituba. Beto Guilherme do Itaim Paulista. Terno, Pq Bristol. Sandro Soares da Fundação Casa/Itaquera. Fanti de Heliópolis. Carlão da Vila Nova Curuça Thobias da Vai Vai do Bixiga Trutty do Jardim Brasil Guga Brown de Paraisópolis.


Vamos ao especial de final de ano Começamos gravar 10hs no Bixiga (sede da DGT), de lá saimos de BUZÃO sentido Itaim Paulista, no ônibus teve de tudo, samba de primeira qualidade, poesia, free style e muita alegria e descontração.


presença Walter Limonada (ano que vem BUZÃO São Bernardo do Campo), Bandog do Mentes Criativas (Breve BUZÃO Cocaia Z/S de SP), Spainy, Raquel Almeida, Seu João do Nacimento, Jennifer (filha do Terno), esposa do Guga Brown, Da Antiga e crianças, agradecimentos especiais a EMTU que disponibilizou um ônibus pra gente, ao motorista que foi sangue bom, ao Carlos Figueiredo que intermediou o ônibus, Marcivan (equipe do Hood), ao meu cunhado Zé Augusto que ficou no churrasco, e a quem colou depois, aqui da quebrada, como o Francismar, o Fran (EXL), o Dê, Maisa etc............... Sem contar a participação especial do Rappin Hood que colou na maior humildade. A minha equipe Marilda Borges, Evandro Borges e equipe DGT, Tony Nogueira, Mauricio Falcão, Sérgio Gagliard, Tiago Pastoreli e Badu Nogueira. Tudo nosso familia...............2009 tem muito mais, invadimos a TV.





Bastidores do qudro Buzão Circular Periferico especial para o Manos e Minas


Eu e meu convidado Walter Limonada


Sandr testinha, que faz oficinas na Fundação casa



Michel (Sarau Elo da Corrente), Buzo e eu de reporter


Nosso Piloto, Sujeito Homem



A Banca toda fora do Buzão