sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

  • Poesia Relutante
    Ao Mais-Novo (de pé)

    Eu não quis esperar
    você ir
    pra fazer este poema.
    Pode ser que você vá
    daqui a oitenta e cinco anos.
    Não importa.

    Importa
    saber
    que você
    é porta.
    Como os outros.
    Se se perder,
    nós também estamos todos
    muitíssimo mais
    que perdidos.
    desachados.
    desse jeito que ficamos
    quando perdemos o passo
    (que horizonte
    era coisa do passado.
    de hoje em diante
    o futuro
    era apenas um abismo).
    Não foi assim, Belega?
    foi assim quando morreu
    o amigo?
    não ficamos abismados?
    você e eu?
    não era o Bristol um abismo?
    impossível dar um passo?
    Não foi que nos tiraram
    um abraço?
    dos mais justos, dos mais
    engajados?
    como se tirassem pai e mãe e nos deixassem
    mais que órfãos?
    mutilados?
    Não foi, Belega?
    foi assim?
    como se, súbito, o mundo
    deixasse de existir?
    como se a palavra
    encontrada
    já deixasse de ouvir?
    e o companheiro amigo
    nunca mais que nunca
    mais?

    ...........................................
    ........................
    .................................
    ......
    .....................................................
    ...................................................
    ..................................................
    .......................................................?
    Eu queria escrever esta carta
    ao Belega menino
    de anos atrás.
    Que de pé, ainda estamos,
    Mas nos faltam muitos sonhos
    e futuro falta
    cada vez mais

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Mais 100 nomes na lista de mortos

 
A propósito das mortes de civis  e pm's

O Ministro da Justiça. José Eduardo Cardozo, por ocasião do anúncio da integração de forças entre Estado e União para combate ao crime “organizado”, afirmou ontem, categoricamente, que as mortes de Policiais Militares ocorridas neste último ano serão todas investigadas e punidas.
Aproveito a deixa para lembrar ao Senhor Ministro de que não foram apenas os policiais que tiveram suas vidas ceifadas. Dezenas de civis também têm sido vítimas de assassinatos e, em muitos casos, as suspeitas têm recaído exatamente sobre PM's, ou sobre os chamados “grupos de extermínio”.
Aproveito também para perguntar se posso enviar ao Senhor Ministro uma lista pessoal de mais de 100 pessoas cujas mortes, todas violentas, nunca foram solucionadas. Essa lista foi recolhida ao longo de 36 anos e todas essas pessoas eram conhecidas, amigos, vizinhos ou parentes do meu esposo. Se adicionarmos os “meus” mortos, essa lista certamente aumentará.
Um momento: eu não sou louca. Não desejo que ninguém seja morto e nem tenho intenção nenhuma de que todas essas mortes do passado sejam realmente investigadas. Mas seria fenomenal, algo digno de muito respeito, se o Estado e seus representantes mostrassem por nós o mesmo interesse que demonstram em defender seus cargos políticos, sua imagem pública e não nos abandonassem (a nós e aos policiais - que, afinal de conta são gente da gente) à própria sorte. Seria interessante ter um Estado cuidador.
Enfim, gostaria de lembrar às autoridades que a coisa mais importante dessa história de horror que revivemos hoje são as vidas humanas (dos policiais e também dos civis), a dor das famílias e o desajuste social causado por essas mortes.

Notícia de Israel
(trecho)

Me mandem matar a polícia!
Eu vou, se isso trouxer
Israel,
Sandro,
Aristides,
Luciano,
Márcio,
Cometa,
Buiú
(toda a família de Elisângela)
Edmarcos e
Hilário
(toda os mortos dos CEDECAS)
de volta.
Me mandem matar os bandidos!
Eu vou, se me deixarem
Matar todos os homens-blindados-que-cagam-ouro-na-minha-fome-e-na-fome-da-minha-família.

Eu mataria capitães do mato
Se eles não fossem de fato
Tão vítimas como são vítimas:
Os policiais fardados,
Os meninos sem camisa,
A mulher de volta pra casa,
Israel, no colo da mãe.
O fuzil de minha palavra
Precisa estar voltado
Pra verdadeira revolução.

domingo, 4 de novembro de 2012

quantas bananas

http://correionago.ning.com/video/quantas-bananas-vc-quer-pra-deixar-essa-hist-ria-pra-l

Danilo Gentili manda censurar vídeo que o acusa de racismo

 

domingo, 19 de agosto de 2012

Parte 3 Oficina de MCs

Na Foto Wender, Maria Eduarda, Julia, Evelin, Matheus, Gabriel, Beatris e Dandara



Hoje o horario da Oficina de MCs foi antecipado, e popr isso teve inicio as 12 Horas.

Os assuntos tratados:
  1. ECA - Direitos da Criança e do Adolescente e suas obrigações
  2. Identificação e reconhecimento dos elementos do Hip-Hop,através de revistas especializadas no assunto.
  3. Roda de rima
  4. Completando a Rima do verso
  5. Cantando Rap
  6. Brincadeira
  7. Leitura
  8. Lannche
video

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

2° Parte OFICINA DE MCs realizada em 05/08/12

Muito frio e muita garoa, acabou por afastar um pouco as crianças da oficina, Ma compersistência houve a atividade que foi programada.
A oficina foi bem descontraida, e teve bastante dinamica para aquecer o frio, tipo: o mestre mandou, Aquecimento, Alongamento, rimas, improvisos, bate papo sobre o Rap e o Funk.
A Maria Eduarda esta se destacando entre as crianças, ela tem apenas 6 anos e esta aprendendo muito rapido o que é o rap, o que é ritmo, o que é poesia, o que é musica, alem disso rima facil e tem boa desenvoltura.










domingo, 22 de julho de 2012

Oficina de MCs no Maloca Parte 1





Hoje teve inicio no Espaço Cultural Maloca a primeiro encontro da oficina, como foi combinado o inicio foi as 14 horas e por falta de cadeiras, bancos, mesas, e aparelhagem de som, a oficina foi realizada com as crianças sentadas em circulo no chão do Maloca.

Primeiro foi a apresentação do projeto.
Hoje a intenção era uma só, saber o que as crianças conhecem a respeito do Rap/Hip_hop.

E não foi novidade nenhuma eles citarem que o rap é musica, que o rap é ritmo, que o rap é passos, que o rap é dança, que o rap é Hip-Hop.

Porem crianças são muito expertas, e elas queriam mas, então fizemos uma brincadeira derimas, cada criança tinha que achar palavras que terminassem com um determinado som. aõ, é, el, etc

Falamos tambem asobre RITMOS, funk, forró, rock e samba.
Falamos sobre Poesias e declamamos
Cantamos e fizemos coreografia da cantiga HISTORIA DA SERPENTE.

Ensaimos os primeiros versos da musica " BRASIL È MEU TIMÂO " Criada na outra oficina de MCs que foi realizada em 2008 no mesmo local.
Após a Oficina de MCs, as crianças foram levadas até o Sarau do Coletivo Perifatividade e KOMBI DO RAP na Rua de Lazer Menino de Engenho no Jardim São Saverio, aonde cantaram e brincaram muito.




Presentes nesta data:
  1. Icaro Teixeira - Idade: 5 anos - Escolaridade: EMEI
  2. Lorayne Teixeira - Idade: 1 ano
  3. Marjore Dandara - Idade: 5 anos - Escolaridade: EMEI
  4. Evelin Alexandre - Idade: 5 Anos - Escolaridade: EMEI
  5. Giovane Matheus - Idade:15 Anos - Escolaridade: 6° Série
  6. Ricardo Mota - Idade: 5 Anos - Escolaridade: EMEI
  7. Wender Ronaldo - Idade: 7 anos - Escolaridade: 2° Série
  8. Gabriel - Idade: 4 anos - Escolaridade: EMEI
  9. Julia Santos - Idade: 6 anos - Escolaridade: 1° Série
  10. Maria Eduarda - Idade: 6 anos - Escolaridade: 1° Série
  11. Gabriel Rodrigues - Idade: 7 anos - Escolaridade: 2° Série

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Mutirão de Graffite



E quem quiser colar, tá todo mundo convidado, pra pintar,

curtir um som, e depois um almoço coletivo ae!!!!!!!

terça-feira, 17 de julho de 2012

Dia 22/07 as 14 hs OFICINA DE MCs

Daremos inicio a mas uma oficina de MCs no Espaço Cultural Maloca.
Para Crianças entre 08 e 15 anos

Conteúdo:

Historia do Hip-Hop e seus principais Personagens.


Contando Compassos


Técnicas de respiração


Dinâmicas de grupos


Criação de Textos


Poesias.


Rimas

Interpretação de Textos (Rap)


Reforço na Tarefa Escolar


ECA - Estatuto da Criança e Adolescente


Direitos e Deveres Videos.

Passeios

Eventos de Hip_Hop

Performance

Trava Línguas

Criação de Letras em Grupo

Encenação Teatral em cima de letra de Rap Conhecida.

Apresentação em eventos Comunitários.

domingo, 8 de julho de 2012

Espaço Cultural Maloca ainda viverá por muito tempo

União acima de tudo

As mulheres no Maloca

Legal a Visão atual do Maloca, ao fundo ainda há entulhos

Muita Chuva, e frio

A Churrasqueira foi um bom remédio contra o Frio

Churrasquinho começou as 12 horas e varou a noite

Muito Brega, Samba, Rock e Rap aqueceram o dia

O Zelador do Maloca ( Baixinho ) Despejado pela prefeitura, por nós não será


Mulherada Observa a cachorrada no balcão do espaço cultural

Duas das estantes que receberão nossos mas de 6 Mil livros

Zé Bode (Presidente do Unidos FC)

Zetildes Lima (Jornal Mandacaru / Movimento de Saude) e Thiago (Graffiteiro)

Ruivo Lopes ( Sarau do Ocupação São João)

Maloca por dentro

Musica e Bate Papo

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Dia 08/07 às 9:00hs Re-Ocupação do MALOCA

Em Julho esteremos fazendo a reocupação do Maloca Espaço Cultural que encontra-se abandonado.

Prepare as ferramentas:
Pás, Enchada, Foice, Martelo, Rastelo, Carrinho de Mão,
Livro, Rima, Poesia, Musica, Graffite, Rap, Depoimento, Protesto,
Caixas de Som, Toca Discos, Maquinas Fotograficas, Filmadoras

E o mas importante prepare-se sua presença será muito importante para a Reocupação do Espaço Cultural Maloca.

Mas venha pra somar, dividir ou multiplicar, se for pra diminuir fique em casa.

A comunidade merece um ponto de cultura e lazer.

O Maloca é nosso.

Toque de recolher no Parque Bristol

Moradores denunciam que policiais passaram jogando bomba e exigindo que as ruas ficassem vazias
Por Igor Carvalho
Segundo informações recebidas há pouco pela reportagem do SPressoSP, agentes da Polícia Militar e agentes da Ronda Ostensiva com Apoio de Motocicletas (Rocam) circularam pela região do Pq. Bristol e Jd. Savério durante a noite desta terça-feira (26), decretando toque de recolher e jogando bombas de efeito moral, exigindo que as ruas estivessem vazias após as 22h.
Às 22h30, os policiais montaram cercos na entrada da comunidade, todos os agentes haviam removido suas identificações. “Eles querem tirar as testemunhas das ruas”, disse um dos moradores. Testemunhas dizem que as ruas estão desertas.
O temor dos moradores do Pq. Bristol é que sejam alvos de retaliações da Polícia Militar, que tem sido alvo de seguidos ataques que já vitimaram 40 policiais no ano de 2012. Uma chacina na madrugada da última segunda-feira (25) culminou com a morte de quatro pessoas, em Poá. Durante a noite, mais cinco pessoas, quatro na zona sul e uma na zona leste, foram mortas.
A reportagem do SPressoSP entrou em contato com a 83° Delegacia Policial, responsável pela região do Pq. Bristol, e recebeu a informação de que “não há qualquer ocorrência na região que exija o reforço policial, está tudo normal.”

 

Fonte: http://www.spressosp.com.br/2012/06/urgente-toque-de-recolher-no-parque-bristol/

domingo, 10 de junho de 2012

A LUTA CONTINUARÁ - 02/07 0 Sarau vai a Prefeitura

PREFEITURA FECHOU NAS ÚLTIMAS SEMANAS:

-SARAU DO BINHO
-SARAU POESIA NA BRASA
-AGORA O LUA NOVA

Que merda é essa?

Denúncia Pública:
Prefeitura fecha o Novo Lua Nova no Bixiga

Como vem ocorrendo em várias regiões de São Paulo, onde existem espaços culturais de resistência cultural sendo fechados, como o Sarau do Binho, o Sarau Poesia na Brasa, a Prefeitura de São Paulo, através do PSIU fechou dia 21 de maio o tradicional bar Novo Lua Nova, localizado na rua 13 de Maio, no Bixiga, sob a alegação de que o bar está irregular e não possui revestimento acústico.

O espaço cultural Novo Lua Nova é uma tradicional casa de cultura, onde se apresentam show de MPB alternativa, sarau poético, o Clube Caiubi, o Samba Nosso de Cada Dia, com os compositores da Vai, Vai e de outras Escolas de Samba da Cidade, mostra de artes plástica, shows em apoio à causa de Cuba, Palestina e Comissão da Verdade, além da tradicional Feira do MST.

Importante espaço cultural de esquerda, frequentado por todas as correntes políticas progressistas de São Paulo, o bar Novo Lua Nova vem sendo perseguido pelos fiscais da Prefeitura há mais de um ano. Eles alegam que o espaço que lá funcionava anteriormente estava irregular, possuía várias multas e que o Novo Lua Nova é apenas uma fachada do bar anterior, o que é um absurdo uma vez que são CNPJ diferentes, objetivos diferentes e pessoas diferentes.

O bar Novo Lua Nova é dirigido politicamente por uma cooperativa de boêmios, professores, sindicalistas, artistas, músicos, poetas, todos ligados à resistência cultural de esquerda. Seus espaços são decorados com imagens tradicionais da esquerda mundial e brasileira e painéis relativos aos direitos humanos. Trata-se de um espaço sem fins lucrativos, onde os músicos recebem 100% do courvert e os próprios cooperados aportam recursos para manter o bar em funcionamento.

Essa é mais uma ofensiva da prefeitura contra os espaços culturais de resistência, uma vez que existem muitos bares próximos que sequer são visitados pela fiscalização. Em reunião realizada ontem (dia 5 de junho) os cooperados decidiram pedir a solidariedade material e política de todos aqueles que já freqüentaram o Novo Lua Nova, bem como daqueles que estão contra a perseguição dos espaços culturais de resistência em São Paulo. Essa ofensiva do obscurantismo, sob a fachada de uma fiscalização seletiva com objetivos escusos e obscuros, deve parar.

A sociedade paulistana deve reagir a mais essa truculência da Prefeitura de São Paulo.

Cooperativa Espaço Cultural Novo Lua Nova

quinta-feira, 31 de maio de 2012

Debate no Curso de Jornalismo da PUC-SP

Ontem estive em um debate no Curso de Jornalismo da PUC, o assunto era A CULTURA NA PERIFERIA.

Quando chegamos eu, Ana Fonseca, Du Bode e Paulo, o Vagnão do Sarau da Brasa estava conversando sobre a Brasilandia e o Sarau, Divulgando livros, Poetas, Musicos, e cutucando uma vaga na PUC, quem não qué né ? ainda mas com pouca condição financeira que temos.

Paulo Rams e Ana Fonseca estavam na mesa representando o Coletivo Perifatividade, e após a sua apresentação, Paulo Rams pediu licença aos presentes e me chamou a mesa de debates.

Fui, e falei muito sobre as minhas experiencias vividas, as vitorias e as derrotas que consegui quando estava no Nucleo Cultural Poder e Revolução, Maloca Espaço Cultural, Biblioteca Comunitária Livro Pra que te quero, Oficina de MCs, SexraPreventivo, Hip-Hop Zumbi, EC Favela, Sarau do Caldo, Sopa de Letrinhas etc.

Também aproveitei para falar a respeito dos Movimentos Sociais, que tem papel fundamental nas periferias. Falei sobre os Movimentos de Moradia do Bairro, as lutas travadas, as manifestações, os diálogos e a falta deles com o poder publico. A criação da AMOPAZ, o aopio do Escritório Modelo da PUC nos casos de Remoções etc.


Não dava pra mim falar de cultura de periferia sem falar do Funk, Rap, Samba, Forró e Futebol.

Falei sobre a minha experiencia com os bailes funks no (69) e sobre a criminalização deste estilo musical, que precisávamos discutir muito estas letras e, alias em outras épocas, o samba, o Rap e até o Rock ja foram ou ainda são discriminados.

Sinceramente espero que o debate tenha sido proveitoso para os alunos do curso de jornalismo, e espero sinceramente que eles desconfiem sempre das chamadas " VERSÃO OFICIAL ", que procurem entender os fatos e os motivos que levaram ao acontecimento.

Pra mim foi gratificante poder estar na PUC, trocando Idéias com os de lá.

Pois acredito que nossa meta é: Igualdade, não inferioridade, não superioridade.

Romperei barreiras por um bem comum.

domingo, 20 de maio de 2012

Festival de Cultura da UJS

O Festival de Cultura da UJS acontecerá simultâneo do 16º Congresso Nacional. A cidade do Rio de Janeiro será palco desse encontro que acontecerá durante o mês de junho e pretende criar um espaço para a arte jovem brasileira. As inscrições estarão abertas a partir de 10 de abril. É só preencher as fichas de inscrição que estão para download ao fim do texto.

Artistas, mídia livristas, frentes e coletivos culturais, esportistas e jovens cientistas, enfim, todas as pessoas e grupos que promovam a conexão do saber e do fazer cultural estão convidados, mediante a apresentação da ficha de inscrição. Serão selecionados trabalhos artísticos e científicos em todas as áreas como; música, teatro, poesia, literatura, artes visuais, circo, cinema, trabalhos em ciência e tecnologia, oficinas auto-gestionadas, consciência ambiental, entre outros.



Com espaço e programação própria durante a etapa nacional do Congresso da UJS o #nas redes e nas ruas/festival de cultura reunirá um pouco da diversidade do que a juventude tem produzido, discutido e se organizado em especial. Outro objetivo do #nas ruas e nas redes/festival de cultura é fortalecer as redes, coletivos e frentes gerando ações e bandeiras comuns entre os povos, globalizando assim nossas lutas.

As pautas e reivindicações entre as juventudes de todo o mundo, por mais que diversas e muitas vezes específicas para cada realidade vivida, vem demostrar que a Cultura assume centralidade, como terreno da luta de ideias, para a construção de um mundo melhor e mais igualitário. O Festival visa ainda interagir em espaços públicos, como a rua, palco de lutas e ideias populares, como local privilegiado para trocas e apresentações culturais.

Para participar do #nas redes e nas ruas/festival de cultura não precisa necessariamente ser filiado a UJS e pode residir em todo o território. Também não será observado como critério de eliminação de obras a vinculação de qualquer tema ou estilo artístico ou científico específico. Não serão aceitos, no entanto conteúdo racista ou preconceituoso sob nenhuma hipótese.

Espaço Multicriativo

Laboratório coletivo de produção e compartilhamento de conteúdo produzido e criado no evento. O espaço reunirá os coletivos culturais e projetos de cobertura do evento, recebe oficinas, rodas de conversa e é aberto ao público.

Computadores, projetores e ilha de edição de vídeo, estarão disponíveis aos participantes. Um palco, iluminação, sonorização e ambiente confortável serão montados para dar boas condições de apresentação ao artista e ao público participante.

Multifórum

Coletivos, redes, pessoas e instituições, organizam durante o encontro debates que potencializam a interlocuções entre os saberes e com o público participante. O espaço acolhe atividades autogestionadas, mediante pré-inscrição, com programação já confirmada pela produção do #nas redes e nas ruas/festival de cultura. Dentro do Multifórum também é previsto debates, oficinas, roda de conversa, e apresentação de pesquisa acadêmica relacionada aos temas, como: juventude, cultura, política, expressões artísticas, gênero, opressões específicas, Hip Hop, ciência e tecnologia, cultura digital e redes sociais.

Abraços e muita atitude,

União da Juventude Socialista – Direção Nacional
Coletivo de cultura Bota a Cara - UJS


O que é?
#nas redes e nas ruas/festival de cultura

Quando?
07 a 10 de Junho de 2012, no Rio de Janeiro

Como participar?

Faça sua inscrição preenchendo o formulário:

Audiovisual
https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dEd6LXNwWUVPQlhDelVNZ1pnT0J2YkE6MA#gid=0

Artes Visuais
https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dGlJXzA3Z0dSMW9fV1JDSGoxRFVsdmc6MA#gid=0

Música
https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dHV5LUNjaDFlX2RpS283VlZZczZoa3c6MA#gid=0

Artes Cênicas
https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dGxfSTI2TWdFY0RBV1didDFVWElDS2c6MA#gid=0

Literatura
https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dEZXYWt1Z3Z3R0NjNW5nY3BGSHBpZmc6MA#gid=0

Atividades Autogestionadas
https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dFhramMwcEw5czlwVmpkWGF4azRpSmc6MA#gid=0

Artes Integradas
https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dFplaHZKUTI4SXIyTTZhNUI0N1RoY3c6MA#gid=0

Ciência e Tecnologia
https://docs.google.com/spreadsheet/viewform?formkey=dFMza1YtOERmY0JLYnZrYlg0SERBNEE6MA#gid=0

sexta-feira, 27 de abril de 2012

DIA DA EMPREGADA DOMÉSTICA - UM SALVE!


Hoje é dia daquela que permite que a vida cotidiana daqueles que são considerados por alguns autores, por causa da alta tecnologia que operam, os grandes geradores de mais valia, funcione de forma suave. Como seria chegar em casa depois de um dia como gerente de uma grande empresa e ter que cozinhar, lavar, passar, cuidar das crianças e de todas as outras tarefas. Será que daria também pra estudar, ter momentos de lazer e no dia seguinte estar de pé as 6:h da matina pra repetir tudo de novo. Não, não daria para um ser humano normal fazer isso.

Daí é que a divisão do trabalho se faz valer, pois uns gastam o tempo estudando e trabalhando e por isso tem de renunciar aos cuidados da casa e dos filhos, enquanto outros têm que cuidar não só de suas casas e seus filhos, mas também da casa a e dos filhos que daqueles que no mercado valem mais. A questão é que as Empregadas Domésticas ao ter de cuidar de duas famílias ao mesmo tempo não conseguem tempo pra mais nada, porque além do seu trabalho ser mais intenso e mais pesado que o do seu patrão e, por isso, ela, no fim do dia, está ficamentalmente mais esgotada, ela está incumbida também de liberar o patrão para seus momentos de lazer em detrimento dos dela.

E ao fim de duas décadas organizando a vida de sua outra família, muitas vezes melhor que organiza sua própria, percebe que aquele sujeito de vinte anos que ela deu tantos banhos e colo que se perdeu na conta, não tem por ela sentimento positivo algum, não a defende diante das injustiças do patrão, antes age como patrão. A divisão do trabalho garante pra alguns o trabalho e para outros os frutos do trabalho. Então a Empregada Doméstica firma uma parceria com o patrão onde ela cuida da casa dele pra que ele possa todos os dias gerar valores. Valores que sem a liberação que Doméstica garante se reduziriam muito, pois o patrão teria de sair da sua dedicação integral ao capital para fazer as tarefas que não geram diretamente mais valia, mas são responsáveis pela manutenção da vida.

A parceria então não funciona como sugeriu Durkheim, onde um reconheceria sua dependência do outro. Tal parceria revela-se como exploração, por que o patrão branco é educado pra proteger não o peito que o alimenta, mas a classe da qual faz parte a fim de perpetuar a situação desta.

No dia das Empregadas Domésticas mandamos um salve para todos aqueles que realizam trabalho duro. Trabalhos que os acadêmicos racistas de plantão dizem que são mal remunerados porque exigem pouca formação e não geram mais valia. Um salve pra porteira, motorista, caixa, pedreiro, segurança, ajudante geral etc. Um salve pra todos as trabalhadoras e trabalhadores favelados. Um salve para o povo que realiza o trabalho sem o qual a cidade tornaria ser uma floresta. Daí como seria a geração de mais valia?

domingo, 15 de abril de 2012

Tortura na Fundação Casa

Aparentemente, a troca de diretoras na UI Jatobá - Raposo Tavaresnão tem surtido efeitos positivos no que tange aos direitos dos adolescentes ali internados.
No dia 14/04/2012 foi relatado pelos internos da unidade referida, aos seus parentes visitantes, o fato de todos os internos terem permanecido durante 3 dias sem nenhum tipo de alimentação ( entre os dias 9 e 11/04/2012). Após esse período houve invasão de um grupo chamado pelos adolescentes internos de "choquinho". Os adolescentes relatam que foram espancados e submetidos a outros tipos de torturas e constrangimentos. Após, tiveram cortados alguns benefícios, como a proibição de recebimento de gel de cabelo, bolachas e desodorantes.
Solicitei ao Ministério Público apuração dos fatos com urgência, com exames de corpo de delito - dado que os hematomas (que podem servir de provas) não duram muito tempo.
Gostariamos de pedir apoio a todos para que nossos adolescentes sejam educados e não mais torturados.

segunda-feira, 19 de março de 2012


CARTA CONVOCATÓRIA



Convocatória para reunião de constituição da Comissão Organizadora do
Seminário sobre Políticas de Drogas do CONJUVE em parceria com
organizações locais.



Sensível aos desafios colocados diante da agenda da Política de
Drogas, o CONJUVE definiu como uma de suas prioridades o debate em
torno da questão. Desde 2010 vem discutindo de diversas perspectivas
os impactos da Política de Drogas sobre a população jovem. Esse
processo, rico, discussões, articulações e formulações, culmina com a
elaboração de uma proposta, ao governo federal, nas figuras da
Secretaria Executiva do CONJUVE e da Secretaria Nacional de Juventude
(SNJ), para realização de um seminário nacional, com ampla
participação dos setores progressistas que hoje discutem a temática. A
situação atual deste processo é que recebemos uma sinalização positiva
da SNJ para realização do evento, com projeção para Abril. A intenção
é realizar a atividade em São Paulo.



Para a realização do Seminário, deverá ser constituída uma Comissão
para encaminhar as tarefas necessárias. Além de apresentar um panorama
atual do cenário e os elementos de uma proposta inicial elaborada pelo
CONJUVE - tanto metodológica quanto política -, pretende-se com essa
reunião compartilhar perspectivas e intenções, bem como formar um
Comitê Organizador Local.



Local: Ação Educativa, rua General Jardim, 660 - Vila Buarque - Sala 12

Data: 14 de Março de 2012

Horário: 18h

Contatos: 61 – 3411-3579/3411-3598

E-mail: conselho.juventude@presidencia.gov.br



Atenciosamente,



Gabriel Medina

Presidente do CONJUVE




--
Gabriel Medina


__._,_.___

quarta-feira, 7 de março de 2012

Kombi do Rap e o Sarau Perifatividade agitarão as Ruas de Lazer

O Coletivo Perifatividade que vem espalhanto o gosto pela leitura nos bairros do Fundão do Ipiranga, estará em ação na Rua JOSE PEREIRA CRUZ no Bairro do PARQUE BRISTOL.
e de quebra ainda vai estar somando a KOMBI DO RAP, com Liu MR e muitos outros MCs, Poetas e artistas "Marginais", que pelo amor ao Rap/Poesia estarão gratuitamente agitando o domingão.

Com certeza vai ser um dia inesquecível para os moradores da Vila Cristina e Vila da Paz. Em Especial para as crianças, pois a Rua de Lazer é delas.
E Nós somos apenas bons invasores que queremos cumprir nossa missão de responsabilidade social.

Para esta intervenção, não contamos e tambem não precisamos de nenhum apoio financeiro de politicos, nem de religiões. Só a boa vontade e o compromisso seu e dos nossos parceiros.

Seja bem vindo

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Onibus irão parar em SP dia 13/02

Motoristas de ônibus de SP decretam greve a partir da próxima segunda-feira (13)

E-mailImprimirPDF
AddThis Social Bookmark Button

condutores_assembleia



Em assembleia realizada na tarde da última segunda-feira (06), os motoristas de ônibus de São Paulo decidiram entrar em greve a partir da próxima segunda-feira (13) por tempo indeterminado. A paralisação afetará as 32 empresas de ônibus urbano da cidade de São Paulo.

Os motoristas se queixam do excesso de multas aplicadas ao transporte público que acabam sendo repassadas aos trabalhadores. A greve estava marcada para esta quarta-feira (8), mas foi adiada para uma última tentativa de negociação.

A entidade disse que enviará um ofício ao sindicato patronal solicitando que as multas não sejam mais descontadas dos salários. Esse seria a único acordo possível para evitar o protesto. "Tudo pela à falta de bom senso dos representantes do Poder Público Municipal e intransigência patronal, que insistem em cobrar valores absurdos de multas. Precisamos de uma solução para essa mentalidade, que tanto prejudica nossa categoria", afirmou o dirigente do Sindicato e da CTB-SP, José Carlos S. Ferreira (Zé Carlos Negrão).

Desde 2009 que a diretoria do Sindicato tenta, sem sucesso, negociar com a Prefeitura e a São Paulo Transportes, uma solução definitiva a questão de duplicidade de multas que constam no Código de Trânsito Brasileiro e as do Regulamento de Sanções e Multas (RESAM), que são aplicadas indiscriminadamente pelos agentes. De acordo com a assessoria do sindicato, a Prefeitura aplica mais de 400 multas por dia nas empresas, que repassariam "a maioria delas para os motoristas".

Na madrugada da terça-feira (31), os motoristas promoveram uma paralisação de alerta que durou cerca de três horas.

Portal CTB com Sindicato dos Motoristas de SP