quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Velha Escola

Frente

Esta é nossa Loja
E o Vinil é peça fundamental para dar som ambiente
Aba Reta

Varias cores e modelos


Melhores preços
Aba Reta Masculino e feminino


video
Endereço: Rua José Pereira Cruz, 209
Parque Bristol - Jardim São Savério
Vila Caraguatá - Vila Liviiero - Jardim Climax
São Paulo - SP - Brasil

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Parceria dos Racionais com a Nike: o que a periferia tem haver com isso?

Que as organizações de Hip Hop retornem as suas bases sociais com urgência, que transformem suas ONGs em movimentos sócio-políticos independente dos governos e do capital, pois a ONG nada mais é do que "o braço solidário do imperialismo" para ganhar as bases sociais dos movimentos revolucionários para o Estado.


Acho interessante a polêmica que se construiu em torno da possível parceria Racionais/Nike e quero aproveitar o momento para lançar algumas reflexões. É indiscutível a importância que este grupo de rap teve e ainda tem para a juventude negra de todo o Brasil. Eu mesmo devo muito aos racionais pelo que eu sou hoje, inclusive em uma das músicas do cd do meu grupo rap eu falo ?meus heróis eu conheci no Hip Hop não na escola/ professor desinformado deturpou minha história/ ora bolas minha senhora ver se pode? / meus primeiros professores foram racionais e GOG? (Herói de Preto é Preto).

Há alguns anos atrás li um artigo, não lembro de quem, falando que o que o Hip Hop fez em menos de dez anos o que o movimento negro não conseguiu fazer em mais de vinte anos. O Hip Hop conseguiu dialogar com o setor mais oprimido, explorado e excluído da classe trabalhadora do Brasil, alias o Hip Hop é formado fundamentalmente por esse setor.

E é essa resistência e capacidade de despertar a indignação da juventude negra e formar intelectuais orgânicos na periferia que a racista burguesia brasileira quer dilacerar.Em um documento escrito há cinco anos atrás eu dizia que o Hip Hop brasileiro cresceu e se fortaleceu a margem dessa tríade capitalista e que, infelizmente, o seu enfraquecimento político é resultado da inversão desta postura.

Nos últimos cincos anos acompanhamos a aparição de diversos grupos de Hip Hop na Globo, encontros com o governo Lula, inúmeros projetos com prefeituras neoliberais e parcerias com empresas multinacionais, sem contar a avalanche de ONG?s especializadas em Hip Hop que se espalharam feitos pragas por todo o Brasil. O Hip Hop militante do nordeste virou pó institucionalizado, restando poucas organizações como o Quilombo Urbano que tenta reconstruir o Hip Hop militante e revolucionário desta região.

Quem tanto denunciou a opressão contra os pretos, se calou perante a vergonhosa ocupação do Haiti liderada pelo governo Lula a mando de Bush, silenciaram também sobre as ocupações da Força de Segurança Nacional em favelas, morros e bairros majoritariamente negros em todo o país. Falo isso em termos majoritário, pois as exceções só confirmam a regra.

No Maranhão chegou-se a dois absurdos emblemáticos a esse respeito: a completa ausência das ONG?s de Hip Hop e do Movimento Negro nos atos de denúncia do linchamento do artista Gero por policias militares e civis do governo de Jackson Lago e o mais recente e ridículo papel destas mesmas organizações na tentativa esvaziar e enfraquecer a 3ª marcha da periferia organizada pelo Quilombo Urbano para pressionar o Estado a estender seu braço social na periferia (quanto a isso ver matéria ?Governo e CUFA Versus 3ª Marcha da Periferia).

Em suma, em nosso entendimento, não é apenas financeiro o objetivo da Nike junto ao grupo Racionais, mas é acima de tudo político. Ao contrário da maioria do nosso povo, a burguesia tem consciência histórica, sabe se antecipar aos fatos, sabe se precaver. Eles sabem que as periferias de todo planeta viraram verdadeiros barris de pólvoras preste a explodir.

A França mostrou o caminho. A juventude negra e imigrante daquele país encabeçou um das maiores insurreições populares da sua recente história. Em maio de 2005 mais de quinze cidades foram paradas, inclusive Paris, e isso obrigou o governo a criar, sob o calor da insurreição, um programa de geração de emprego para aquela juventude, quando o seu objetivo era justamente inverso. Sabe qual foi à música acusada de ter insuflado aquela revolta? Isso mesmo, o rap!!! Logo em seguida o parlamento francês se viu obrigado a votar uma lei de censura a determinadas canções de rap.

Veja que interessante: o Hip Hop embalando uma revolta vitoriosa da juventude das periferias francesas contra o neoliberalismo! !!. Na Grécia a também juventude de periferia está protagonizando novas e importantes revoltas populares. Esse fenômeno tende a se mundializar com a crise do capital.Já imaginaram um Racionais, um GOG, um Facção Central, um MV Bill a frente de um processo como este. Um detalhe importante, salvo engano, acho que são poucos os países do mundo que tem uma periferia tão instável como a nossa. E a burguesia brasileira sabe que a nossas periferias respiram Hip Hop, só que eles também sabem transformar oxigênio em gás carbônico.

O momento que estamos vivendo é ímpar.

Nossa geração nunca viveu uma crise econômica do capitalismo tão profunda e grave com a atual, talvez em proporções bem maiores que a de 1929. Segundo Gramsci, é nesses momentos que a burguesia utiliza a política do ?transformismo? , isto é, na impossibilidade de atender minimamente as necessidades básicas do povo pobre, ela opta por cooptar suas principais lideranças que tentarão legitimá-la junto aos pobres.

A parceria CUFA/Globo/UNICEF não é atoa, assim como será atoa a parceria Racionais/ Nike, caso se consolide. Em fim, quanto maior a crise maior será a tentativa de cooptação.Os Estados Unidos, durante o governo de Clinton, enfrentou uma crise de grandes proporções que afetou principalmente a população negra, latina e feminina daquele país e o que fez o governo? Simplesmente criou diversas ?secretarias simbólicas? com representantes desses setores, não para elaborar políticas para reverter a penalização de suas demandas sociais, mas para legitimar os ataques do governo. Entretanto, a questão, a saber, é até onde eles podem ir? Pois, as crises pressupõem também escassez de recursos e de fato muitas ONG?s estão quebrando em decorrência dela.

Essa é a sinuca de bico que a periferia e seus organismos políticos se encontram afinal.

Assim que Lula assumiu, o intelectual e militante de esquerda, James Petras, anunciava que havia dois setores fundamentais que FHC não conseguiu controlar definitivamente durante o seu governo: um era os sem-terras e o outro era os favelados. Palmas para Lula!!!.

A questão da reforma agrária simplesmente saiu da pauta, o MST recuou como nunca. No Maranhão estão mobilizando suas bases sociais em favor do corrupto e pró- agronegócio governo de Jackson Lago , mas não estiveram juntos aos professores na época que estes estiveram em uma heróica greve contra esse mesmo governo.

Por outro lado, a política de assentamento do governo Lula é tão ridícula quanto à de FHC, mais de 90% do crédito agrário deste governo vai para o agronegócio, enquanto os pequenos agricultores endividam-se.Em relação aos favelados, ao mesmo tempo em que o governo bate (com o fortalecimento do Estado policial) ele assopra (com o financiamento de ONG?s de Hip Hop). Infelizmente, a mais importante força política da periferia, ou seja, o Hip Hop é uma das principais vitimas do ?transformismo? da burguesia na atualidade.É preciso Recompor as Forças.

O Racionais já cumpriu seu papel político; despertou a consciência crítica de milhões de jovens negros e pobres deste país, o que não os isentam de críticas. Que eles optem entre viver de cabeça erguida com a periferia ou morrer de joelhos dobrados perante a burguesia.Para a periferia o que está em jogo no momento é sua sobrevivência política. Tanto nós quanto o capital precisam recompor suas forças diante da crise e só um conseguirá ser exitoso.

Para a burguesia, resta aumentar a exploração sobre os pobres, destruir direitos sociais, pressionar o governo a desviar verbas públicas para o setor privado e como remédio letal mais polícia para a periferia..

Segundo dados da própria ONU, o dinheiro que já foi desviado dos cofres públicos para salvar capitalistas falidos só durante essa crise daria para resolver o problema da fome em todo mundo por 16 vezes.

No Brasil Lula já injetou mais 360 bilhões de reais para salvar banqueiros, latifundiário e demais capitalistas falidos, enquanto que na educação já promoveu um corte de quase mais de 2 bilhões de reais.

A saída da crise para a burguesia significará mais barbárie capitalista para a periferia. Não é atoa que no congresso está tramitando um projeto que autoriza as forças policias a adentrarem em qualquer casa sem mandato de busca.

É evidente que isso já acontece na velha perifa, mas caso o projeto seja aprovado isso ocorrerá com mais freqüência. Esse é só mais um projeto de criminalização da pobreza que se ampliará com a crise.

Para a periferia e a classe trabalhadora em seu conjunto está colocada à possibilidade histórica de ruptura com o capital, não haverá saída por dentro das estruturas..E para isso não nos resta outra saída a não ser organização política e coletiva. Como diz o rapper P.R.C. do Quilombo Urbano ?o coletivo é o bem maior/ antes junto do que só?.

Que as organizações de Hip Hop retornem as suas bases sociais com urgência, que transformem suas ONGs em movimentos sócio-políticos independente dos governos e do capital, pois a ONG nada mais é do que "o braço solidário do imperialismo" para ganhar as bases sociais dos movimentos revolucionários para o Estado.
Que os grupos de rap de ponta sejam mais solidários com a periferia de fato, na ação cotidiana e não só nas músicas. Que compreendam que são menores que as necessidades coletivas da periferia.

Permitir que os negros desabafassem culturalmente suas angustias, era a tática defendida nos sermões do reacionário Padre Antônio Vieira durante a escravidão, pois ele, sabiamente, acreditava que assim a possibilidade de revolta escrava seria bem menor. Será mesmo que o Hip Hop vai ser esse remédio terapêutico que o capitalismo tanto precisa nesse momento de crise para evitar que a bomba "H" (humana) da periferia exploda em suas mão, eu particularmente espero que não.

É importante que entendamos que a periferia é bem maior que nossos amigos da "Vida Loka" e que cada decisão tomada a partir de agora é como se estivéssemos aos 45 do segundo. Se seremos salvos e perdoados é outro assunto, porém não podemos deixar que nossos sonhos coletivos sejam crucificados por "nomes estrangeiros que estão em nosso meio pra matar, M.E.R.D.A."

São Luís-Maranhão- Brasil 20 de Dezembro de 2008.

Hertz é militante do Movimento Hip Hop "Quilombo Urbano", vocalista do grupo de rap Gíria Vermelha

quinta-feira, 25 de dezembro de 2008

NUCLEO CULTURAL PODER E REVOLUÇÃO INFORMA:

Estamos prestes a entregar para a prefeitura a nossa Maloka.
Depois de varios anos.
Varios Eventos
saraus
oficinas
shows
debates
paletras

Tristezas e alegrias.

Mas não pararemos
em 2009 estaremos a principio atuando no endereço abaixo

Rua: Jose Pereira Cruz , 209
Bairro: Parque Bristol - SP
Cep: 04193-050
Escreva para nós.

Onde ja funciona uma loja de Bones
.
e logo mas vendas de revistas, livros e cds

E la sera por enquanto nossa Biblioteca
Os emprestimos continua
Então não interrompa sua leitura.

sexta-feira, 19 de dezembro de 2008

A Companhia LTDA e o pensamento ultrapassado

“Você não me escuta.
Ou não entende o que eu falo.
Procuro te dar um toque.
E sou chamado de preto otário.
Atrasado, revoltado.
(...)
Planejam nossa extinção
esse é o título da nossa revolução”

Negro Limitado

Racionais MC´s

No brasil colonia, reverencia-se madonna e diz-se fora ao bush.
Ninguém entendeu que é o mesmo? Que a libertinagem é política, colonialista, além de sexual?
Quem discorda, aponta as crises, as falhas, as incoerências, e quer partir pras cabeças,
mas é chamado de otário.
Na era da auto promoção, com blogs cheios de fotos dos artista-pessoais autocriados, com poses malvadas e nenhuma arma, difícil é dizer não ao “gramur” e se concentrar no trabalho cotidiano, pequeno e desconhecido. Trabalho que não salva, mas ajuda a se defender, cria possibilidades, revoltas e põe medo nas elites.
Atrasados, revoltados (pretos otários), mas não estamos aqui à passeio, não somos ponto turístico, não somos limitados e não estamos à venda.
E você que se arme.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

SAÍDA

ela tentou passar sem culpa.
A chave de fenda na nuca
inda não surtia efeito.
Que jeito.
Do fim ao e-mail
sabia-se que sofria.

Nesse dia,
teve medo de morrer e não morria.
Chovia
cadáveres na Vila Alpina
- Ela passou e escutou gritos de dentro.
Lamentos
que lhe sorriam.

Sabia-se que calava.
uma palavra.
não ia.

Sabia que merecia
a lua inteirinha
sangrando debaixo do beco
(Vermelho rio de ternura
esgotando no bueiro).

Toda partida é começo?

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Gravação para especial fim de anos Manos e Minas no Buzão Circular `Periferico


Domingo das gravações do "especial de final de ano"........foram eles. Michel da Silva de Pirituba. Beto Guilherme do Itaim Paulista. Terno, Pq Bristol. Sandro Soares da Fundação Casa/Itaquera. Fanti de Heliópolis. Carlão da Vila Nova Curuça Thobias da Vai Vai do Bixiga Trutty do Jardim Brasil Guga Brown de Paraisópolis.


Vamos ao especial de final de ano Começamos gravar 10hs no Bixiga (sede da DGT), de lá saimos de BUZÃO sentido Itaim Paulista, no ônibus teve de tudo, samba de primeira qualidade, poesia, free style e muita alegria e descontração.


presença Walter Limonada (ano que vem BUZÃO São Bernardo do Campo), Bandog do Mentes Criativas (Breve BUZÃO Cocaia Z/S de SP), Spainy, Raquel Almeida, Seu João do Nacimento, Jennifer (filha do Terno), esposa do Guga Brown, Da Antiga e crianças, agradecimentos especiais a EMTU que disponibilizou um ônibus pra gente, ao motorista que foi sangue bom, ao Carlos Figueiredo que intermediou o ônibus, Marcivan (equipe do Hood), ao meu cunhado Zé Augusto que ficou no churrasco, e a quem colou depois, aqui da quebrada, como o Francismar, o Fran (EXL), o Dê, Maisa etc............... Sem contar a participação especial do Rappin Hood que colou na maior humildade. A minha equipe Marilda Borges, Evandro Borges e equipe DGT, Tony Nogueira, Mauricio Falcão, Sérgio Gagliard, Tiago Pastoreli e Badu Nogueira. Tudo nosso familia...............2009 tem muito mais, invadimos a TV.





Bastidores do qudro Buzão Circular Periferico especial para o Manos e Minas


Eu e meu convidado Walter Limonada


Sandr testinha, que faz oficinas na Fundação casa



Michel (Sarau Elo da Corrente), Buzo e eu de reporter


Nosso Piloto, Sujeito Homem



A Banca toda fora do Buzão



sexta-feira, 28 de novembro de 2008

HUTUZ 2008

Vencedores do Prêmio Hutuz 2008!!

Revelação do Ano:
A – 286
- Renegado -

Melhor Grupo Norte / Nordeste:
Consciência Nordestina -

Produtor Revelação:
Ariel Feitosa - Saiba mais

Melhor Videoclipe:
Brasil com P
- Gog - Assista ao Videoclipe

Destaque do Break:
Amazon Bboy - Saiba mais

Destaque do Graffiti:
Vespa (SP) - Veja foto

Hip Hop Ciência e Conhecimento:
Pelas Periferias do Brasil Vol 2 (Vários, Curadoria: Alessandro Buzo) - Saiba mais
* Esta categoria é somente para obras e não para pessoas, organizações ou instituições. Trata-se de Livros, documentários, filmes, teses, etc. ..

Melhor DJ de Grupo:
DJ Rodrigo - Inquérito - Saiba mais

Demo Masculino:
Amizade é coisa séria
– Vozes do Gueto (RJ) - Ouvir a música

Demo Feminino:
Mulher de Atitude
– Mulheres de Atitude - ES - Ouvir a música

Grupo ou Artista Solo:
Realidade Cruel - Saiba mais

Destaque Gospel:
Márcio Attack Versos - Saiba mais

Melhor Álbum:
Dos Barracos de Madeira aos Palácios de Platina
– Realidade Cruel - Saiba mais

Melhor Música:
Poesia de Concreto
- Kamau - Ouvir a música

Melhor Site de Grupo de Rap:
Renegado - http://www.arebeldia.com.br/

quarta-feira, 26 de novembro de 2008

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

GRAFFITI CREATOR.

Salve galera!!!!!!!!!!!!!!!!!1Então, tava damdo uma vasculhada na net e achei um programa para criar graffites, é fácil de usar e vc não precisa baixar para o seu pc, se vc está iniciando ou está em um dia daqueles sem inspiração nenhuma, de uma fuçada meste programa ouvindo um bom rock and roll................espero que gostem.....................divirtam-se.........................

http://www.graffiticreator.net/

THIMP......................................................

domingo, 23 de novembro de 2008

Dia 06 de Dezembro tera peneira de futebol no Bristol

O Clube Atletico Ypiranga e o Pereirinhas estarão realizando mas uma Peneira de futebol.
Peneira no Campo Pereirão,
no Pq Bristol;
A peneira visa revelar Jogadores de futebol com idade entre 09 e 16 anos.
Todos podem se inscrever no Local:
Não se esqueça de ir acompanhado por responsavel, pai, mãe, tio, vizinho etc...

O Horario sera das 7 as 11 horas da manha
No dia 06 de Dezembro
Idade 9 aos 16 anos.
Local Pereirão no PQ Bristol SP.

Boa Sorte a todos


O apoio como sempre vem do PEREIRAS BAR e dos irmãos Casção e Cidão

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Ué... pedofilia não é crime?

Parece criança, tem voz de criança, penteado de criança, veste-se como tal (de vestidinho estilo festa junina), mas é adulta e tem um nome que lembra "a vadia".
É um pássaro? É um avião? Não! É a personagem da rede globo, do programa Zorra Total: Abadia.
Em um momento em que o mundo (ou parte dele) discute e denuncia os crimes de pedofilia, a criação e veiculação em rede nacional dessa personagem que é o tempo todo assediada, não pode ser considerada incentivo, apologia à pedofilia?
Os srs. e sras. juízas, ninguém viu?
Ninguém do Ministério Público vê?
Os Conselhos Tutelares?
As Ongs´s?
Universidades?
Telespectadores mais comuns?
Alguém?
Melhor então desligar a tela. Estamos todos cegos, surdos e burros.
Ou hipócritas mesmo.

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Aniversario do Grupo Puro Fascinio


Este grupo sempre esteve lado a lado quando precisamos, assim como varios outros que sempre colaboraram com Hip-Hop Zumbi, sexrapreventivo etc.
VIDA LONGA A ELES

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

NUCLEO PODER E REVOLUÇÃO?!

Será que fazemos jus a este nome em uniaõ, ou algumas pessoas tentam e se deixam fraquejar pelo restante?!

Um grupo onde uma minoria deposita suas fichas pela mudança, enquanto a maioria nem acredita de verdade, mas bate no peito, " EU SOU PODER E REVOLUÇÃO ", quando aquela minoria está fazendo algo movimentando o espaço, sendo ativista e militante?!

Pessoas se crescem como suor do outro, onde alguns não tem a coragem de pegar uma vassoura para manter a limpeza doESPAÇO CULTURAL MALOCA?!

Ou MALOCA ESPAÇO CULTURAL, onde outros twm a coragem de colocar uma cerâmica ou um azulejo em cima de um MONTE DE BOSTA, será que a argamassa usada para colocar piso e azulejo na casa dessa pessoa é uma merda ?!

Alguns anonimos lutma, outros que tem um uma suposta HISTÓRIA, criticam qualquer coisa que os outros façam, desde a limpeza, pintura à organização de um evento ?!

Onde o pensamento minúsculo é mais fácil pegar cachorros recém nascidos e largar em uma esquina qualquer numa caixa de papelão, MAIS FÁCIL não seria pra quem se diz ativista, arrumar pais adotivos aos cães sem dono ?!

E os brinquedos jogados fora, por mais que velhos estivessem, serviam e faziam a alegria de algumas CRIANÇAS que frequentam esta maloca ?!

Os que fazem turismo, aparecem em dia de filmagem para a tv, dizem que não coloca a mão na massa, que tem nojo de por a mão no lixo, que tem MEDO da vassoura, que tipo de ativista seria esse, FHC ?!

Pior os que cobram ordem, fazem a desordem, querem mandar em espaço e núcleo, mas o núcleo não é composto por pessoas que ACREDITAM NO QUE FAZEM, ou são pessoas assalariadas que cumprem horário e puxam o saco do patrão ?!

Todos temos defeitos, mas em um núcleo não pode imperar a vontade de uma pessoa, não temos de aturar desaforos e deixar pra lá só por que a pessoa é assim, hoje o núcleo por inteiro não é idealista, nem ativista e muito menos revolucionário, A REVOLUÇÃO é feita por várias pessoas unidas em um mesmo propósito, e não meia dúzia querendo e o resto se encostando, que não deixa a novela e muito menos a cama para participar de uma reunião, todos temos compromissos, cumprimos com nosso trabalho, com nossas casas, famílias, E O NÚCLEO ?! E O ESPAÇO?! E A MALOCA?!

Será que são apenas virtuais ?!

E indo mais além e a REVOLUÇAÕ ?!

Fica no sonho dos muitos que DORMEM, e nas mão dos poucos que MILITAM ?!

Ou tudo vai ficar para quando tivermos tempo DISPONIVEL ?!

Para quando a novela ACABAR ?!

Ou para quando não tivermos absolutamente nada para FAZER ?!

Será que no núcleo à pessoas ativistas, ou pessoas BRINCANDO DE REVOLUÇÃO ?!

QUERO DEIXAR BEM CLARO, QUE ISTO NÃO É DIRIGIDO A NINGUÉM ESPECIFICAMENTE, É APENAS UMA AMOSTRA DA MINHA INDIGNAÇÃO COM COISAS QUE VEJO ACONTECENDO NO NÚCLEO.....................

THIAGO!!!

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Alessandro Buzo na TV Cultura Repesentando a Perifa


Cultura periférica e intercâmbio

“Não vejo nada. Não vejo fita dominada. Só vejo os pretos sempre triste pelos cantos do mundão”
Mano Brown

Sim! O rap, o samba, o forró que vem de longe, a saudade de Milagres e de todas as cidades “lá de riba” – direto para o coração das periferias paulistanas; dos grupos culturais à solidão de escritores e escritoras, a Periferia cria.
O break, o grafite, o som de rua, a poesia e as crônicas do cotidiano, tudo é arte que entope os becos, lambe os muros e arregala os olhos dos de longe.
Que temos artistas, é fato. Mas, na sexta, segure o seu gato que churrasco está comendo solto!

Churrasco de gato, cheirando gostoso em cada esquina é, sem dúvida, uma das marcas da chamada “cultura de periferia”. Como é parte dela, também, temer a polícia, trabalhar todos os dias e tirar leite de pedra – a nossa ilustre vaquinha.
Porque “Cultura” também é sinônimo de “costumes”, não é só o que está no museu, ou inacessível a quem não pode pagar, nas casas de show, cinemas e bibliotecas distantes. E como arte ou costume, a cultura nossa de cada dia nasce da necessidade: nós temos o som de rua, o forró, o baile funk, a poesia e os muros. Não temos cinemas, teatros, violinos, opções do melhor prato. Já não temos capoeira, pois nos foi “expropriada”. Vazou pras academias.
E academia não é coisa de pobre.

Nossa marca registrada é a criatividade. Mastigamos nossos poemas, construímos nossas almas e o arroz e feijão para o corpo tem de ser muito gostoso. É O Prato.
Recriar é a arma do pobre, mas nós temos muitas outras.
Daí que intercâmbio cultural com a periferia (e não entre periferias) seja um engodo: os de lá comem o filé e querem nos devolver o osso, enquanto fazem discurso sobre as “trocas culturais”.
O que outras classes tentam fazer conosco é se infiltrar em nosso mundo, conhecer nossos segredos, nossos tesouros, roubar nossas qualidades e depois voltar pra casa, bem longe do barulho do tiro e do aroma de esgoto.
Intercâmbio cultural é mentira, exceto quando falamos em troca dentro de uma mesma classe social, como é o caso do acesso irrestrito às novidades do funk mais proibido, ao último CD do Calypso ou aos grafites no muro.

A elite quer circular nas favelas, fazer “turismo social”, fazer de nós o sonhado zoológico. Mas se é verdade que eles freqüentam nossos bailes, nossos saraus, nossos sambas de laje, não é verdade que freqüentamos, em troca, os seus múltiplos espaços. Nós não conhecemos suas casas, exceto pela novela e pelos empregos domésticos. Eles provaram feijoada e nós nem passamos da sardinha. O que será caviar? Eles têm acesso aos pandeiros e o piano, para nós, é quase um mito.
Portanto, o que existe não é troca, é roubo, e intercâmbio cultural é só mais uma mentira, tentativa de nos distrair. Engodo.

No Bristol, o gueto é o gueto, até que a história seja outra.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

anúncio 2

O corpo fechado
a chave do corpo
debaixo da língua.
No fim do arco-íris um pote
de amor. Para ser consumido
Individualmente

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Poeta vendido, ou livros à venda?

Escolher o anonimato ou viajar pelo estômago do inimigo? Essa é uma das questões geralmente impostas a quem queira fazer literatura na era Capital.
Mesmo àqueles que não desejam se contrapor ao sistema, é imposta a pergunta: “deseja ser lido?”.


Se a resposta for um sim, o escritor ou escritora engajada deverá saber que, em certa medida, precisará estar à venda, pois quem detém o poder econômico detém também o poder de ditar o que é “bom” e merece ser lido, do que é “lixo”, dispensável aos olhos de todos, indigno de ser ensinado nas escolas – o anti-clássico.


Daí que uma angústia corroa os olhos de muitos artistas, deixando-os, por vezes, irremediavelmente cegos: Como vencer o inimigo se, para tanto, precisa aliar-se a seus representantes (as ongs, as produtoras, gravadoras, editoras e outras “oras”) - “empresas- privadas”, máquinas de “mandar à merda” qualquer contra-proposta política?


“Mas há um contrato dizendo:
todo ouro será cobrado
duas vezes no leite
outras tantas na alma,
tantas no sabonete”
1

Walter Benjamin, em o autor como produtor, aponta um caminho. Ele diz que é preciso, no mínimo, romper alguma dessas amarras – pode ser criando sua maneira própria de fazer circular sua arte, ou mesmo trabalhando para se sustentar, ao invés de tentar sobreviver com seu produto artístico.
Daí advém um ponto importante: se o poeta, no caso, não tiver que fabricar poemas para vender, poderá construí-los para viver, para se contrapôr, para apontar caminhos novos e revolucionários. É, em minha opinião, a diferença entre a “arte-vida” e a “arte-sobrevivência”.


Se, por outro lado, uma pessoa resolve que irá se contrapôr ao sistema e, ao mesmo tempo, sobreviver de sua arte, cedo ou tarde estará vendido, fazendo discursos revolucionários e vivendo confortavelmente em algum bairro de classe média alta – alienado do sofrimento contra o qual diz ou aparenta militar. E a criação literária, especialmente a lírica que se dá a partir da ausência, do que faz falta ao sujeito, encontrará terreno fértil, pois o poeta anuncia e valoriza um “estar no mundo” revolucionário, mas sua vida cotidiana – os lugares que frequenta, o seu círculo de amizades, os produtos que consome, são todos contra-revolucionários, adaptados a um modo de vida incompatível com o sonho de um mundo ideal.

1Dinha Preço in: Lição de Chão Zine – ano 5 n. 12 jan. 2008

sábado, 11 de outubro de 2008

MALOCA PRORROGADA

O CDHU prorrogou o prazo para desocuparmos o Maloca. Agora, temos até fevereiro.
Estamos na luta por outro espaço. Se puder, contribua.
Logo passaremos abaixo-assinado.

Poema Envergonhado
(em memória dele, por quem não fizemos nada)

Aristides morreu.
Teve nada que eu fiz.
Nenhum campo se abriu
pra essas mãos de batalha.
Só minha alma tremeu
e um maremoto nos olhos.
Mas as minhas mãos inúteis
continuaram inúteis
como os pés no chão.

Ricardo está junto do pai.
Ele mesmo
não deixou menino
pra continuar a sina
dos meninos
sem pai.
E as minhas mãos inúteis
continuaram inúteis
como os pés.

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

MASSACRE NO CARANDIRÚ

(16 ANOS DO HORROR. SE FOSSE GENTE JÁ PODIA ATÉ VOTAR...)

Ontem, 02/10/2008, fez 16 anos que o Estado divulgou oficialmente que massacrou 111 cidadão brasileiros. Todos os que foram massacrados, assassinados, não estavam em guerra franca com o Estado, mas sim, no momento do massacre, eram prisioneiros, estavam sob cutódia desse mesmo Estado. Por isso estavam desarmados e mais, muitos estavam trancados em celas.
Ontem fez 16 anos que o Estado brasileiro cometeu a maior covardia contra a população carcerária na história do país. Covardia de dar inveja à mais alta patente militar dos EUA nas guerras do Vietnã e do Iraque.


Fica um salve pra todas as
fámilias que perderam seus
entes queridos naquele
massacre de 02/101992.

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Biblioteca "Livro Pra Que Te Quero" (foto)


Esta é a única biblioteca aberta ao público em uma área de que compreende 14 bairros e que tem uma população de 80 mil pessoas. Será fechada no próximo 10/10/2008. Ajude-nos a mantê-la funcionando. Comente.

os protestos....

vinimax // 26 de setembro de 2008 às 16:36
venho deixa todo meu apoio a toda familia enraizados pois a Maloca com fé em DEUS (JAH)PERMANECERA NO SEU LUGAR PROSSEGUINDO COM SEU EXELENTE TRABALHA DE EDUCAÇÃO CULTURAL COM BASE NO VERDADEIRO HIP HOP

2 GOG // 26 de setembro de 2008 às 17:00
Salve a todos!
Isso é um absurdo rapaz, estou estarrecido!Vocês podem contar comigo para o que der e vier Camaradas.Mais uma vez fica exposto, de forma clara e infeliz, a falta de critério e sensibilidade dos “Governantes”.
Até a vitória…

3 Marco // 26 de setembro de 2008 às 17:38
Eu acho um verdadeiro absurdo trans forma em cCreches um local no qual informa leva cultura aos jovens e criança .No meu ponto de vista deveriamos nos uni e protesta contra essa mudança, num espaço que nos proporciona tantas ativiades .culturais e informativa .me revolto no que for preciso estarei sim para esta reinvidicando contra essa mudaça absurda.

4 Marco // 26 de setembro de 2008 às 17:41

se for possivel gostarias de sabe como posso esta comparesendo a maloca. moro em guarulhos e gostarias de esta fazendo uma visita .paz fico no aguardo de um retorno

5 beto ehongue // 27 de setembro de 2008 às 14:02

mesmo de longe, sinto bem de perto o resultado desse grande trabalho realizado por esse grupo (ENRAIZADOS), portanto qualquer esforço ou espaço q possibilite essa continuidade vale muito.
ENTÃO… OCUPAR A MALOCA, É OCUPAR A CABEÇAS DE DEZENAS DE JOVENS COM IDÉIAS BOAS E CONTRUTIVAS.
FORÇA GALERA.da família NEGOKAAPOR em São Luís (MA).
beto ehongue

6 Fernanda // 27 de setembro d 2008 às 23:47

É um absudo, mas para mim não é surpresa, desde quando os governantes estão interessados em cultura, para eles quanto mais ignorância melhor, assim é mais facil para manipular a população garente. Vamos torcer para que essa situação seja modificada, até entendo a necessidade de creches, mas aonde fica a cultura minha gente!!!!!!!.

7 Re.Fem // 28 de setembro de 2008 às 10:39

Cultura é informação…Cultura é formação…Cultura é poder…É claro que não é interessante para o estado ter um espaço de poder dentro de uma comunidade…Isso é perigoso…Vai que a galera acorda e se liga que é a maioria?
Então galera a parada é se mostrar maioria!!!Tamus juntus… Até o fim!

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Violencia policial Na vila Livieiro

21 de setembro, inicio de primavera, domingo a tarde, Vila Liviero, Zona Sul de São Paulo. Como é o 3º domingo do mês tenho reunião do Movimento de Moradia ao qual participo alguns anos a mesma começa às 15hrs, mas a caminho da reunião que é realizada no Jardim São Savério vejo uma movimentação diferente e comentários dos trausentes de que um rapaz está sendo agredido fisicamente por policiais...ali perto do supermercado DIA que tem ali na favela.

Havia um montão de gente a observar a cena, porém e infelizmente ninguém se aproxima muito, talvez seja pq aproximar-se possa significar envolover-se....não sei....
O jovem aparentava uns 25 anos, negro...além disso se encontra na periferia...
Eu tb mantive certa distância, talvez não quizesse me envolver... pensei... mas ao menos passarei bem perto para que os policiais notassem que haviam pessoas olhando uma tentativa minha para que não abusassem mais do que estavam abusando....
o rapaz esta até algemado, será que ele era tão perigoso assim???
Eram quatro os policiais que o agrediam entre eles uma policial feminina....
quando estava me aproximando tinham enfiado o rapaz na viatura com todo educação e não violência que eles NÃO TÊM.......
mas as pernas estavam para o lado de fora e mesmo totalmente imobilizado continuavam dando pontapés no rapaz.......
Fiquei tão nervosa...
que disse calmamente que o comportamento deles era um abuso de autoridade...
pra não dizer outra coisa.....
os policiais gritavam dizendo QUE AS PESSOAS SÓ SABEM ATRAPALHAR, QUE NÃO OS DEIXAM CUMPRIR SEUS DEVERES...... QUE ELES ... SÓ ESTAM CUMPRINDO ORDENS.......
e que se eu achasse que aquilo era um abuso de autoridade que os acompanhasse até a delegacia.....

E pra finalizar no momento que terminaram de enfiar o jovem na viatura, um dos policiais vira e me diz:
- VCS TÊM A POLICIA QUE MERECEM!!!!.......
SANDRINHA....
A QUE NÃO QUER SER MERECEDORA DESTA POLICIA QUE ESTA NAS RUAS....

PROTESTE!!!! A MALOCA NÃO PODE MORRER

OLÁ, GENTE DO BEM!
Recebemos do CDHU o comunicado de que deveremos DESOCUPAR o maloca espaço cultural até o dia 10/10/2008. Assim, sem mais nem menos. A Maloca vai virar uma creche.
Achamos ótimo mais creches... temos filhos, sobrinhos, vizinhos pequenos cujas mães trabalahm e necessitam de local apropriado para os pequeno e pequenas.
Mas, enquanto temos 6 creches públicas no entorno, não temos nenhum centro cultural, nenhuma bibioteca, espaço para ensaio de bandas, reuniões dos grupos, etc. Quem conhece, sabe bem do que estou falando.
Os livros serão encaixotados, até conseguirmos dinheiro para construirmos um barraco.
Por isso, se puder contribuir com materiais de construção, mão de obra, DIVULGAÇÃO, dinheiro, ou simplesmente com seu protesto, deixe-o registrado aqui.
Abaixo, posto uma lista de atividades que serão interrompidas com a perda do espaço.

Item Atividades que serão interrompidas

1 Oficina de graffiti
2 Oficinas de leitura
3 Oficinas de Mc (Hip Hop)
4 Oficinas de Higiene para Meninas
5 Feijoadas comunitárias
6 Ensaios de bandas e outros grupos musicais
7 Campinho de futebol
8 Empréstimo de livros de uma “Biblioteca com 400 sócios”
9 Aulas de Espanhol
10 Aulas de Desenho
11 Reuniões e oficinas do Programa “Ação Família”,
12 Aulas do Mova (Movimento de Alfabetização de Adultos)
13 Mutirões de limpeza
14 Encontros de Free Style (hip hop)
15 Distribuição de preservativos e informativos sobre DST-AIDS
16 Artesanato
17 Discussões sobre direitos humanos
18 Saraus literários
19 Exibição de filmes
20 Eventos sobre Consciência Negra
21 Grupo de Estudos sobre Educação e Resistência
SÃO 21 ATIVIDADES... É MOLE, OU QUER MAIS...
QUEREM É QUE A JUVENTUDE MORRA, ISSO SIM!

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

HIP-HOP ZUMBI

Vem ai no dia 30/11/2008
9° HIP-HOP ZUMBI
No mes da consciencia negra, o nucleo cultural poder e revolução, ira trazer ate a comunidade do Jd São Saverio, PQ Bristol e Vilieiro.
Samba
RAP
Regae
Rock
Tudo ao vivo e de graça:
Aguardem>>....
Caso voce queira, ou conheça alguem que tenha o interesse de ajudar em nossos projetos, entre em contato:
tel: 2335-5167 Maciel
Estamos aceitando qualquer valor, que sera destinado para a construção de uma asala que futuramente sera nosso espaço cultural;
Com biblioteca, dança, musica, oficinas e debates.

sábado, 20 de setembro de 2008

Como Foi areunião com A Eletropaulo

Chegamos ao local Maloca as 12:30 como foi combinado entre a empresa e a comunidade:
Eles atrazaraõ 1 hora, mas chegaram.
O Maloca ficou lotado e não teve cadeira para todo mundo.

* Começou uma palestra falando sobre riscos e segurança na Rede.

Falaram sobre as mudanças nos medidores de energia eletrica.
* Vai haver visita da eletropaulo em cada residencia, cadastrando cada familia, e é aconselhado que se peça o numero de relogio necessario para cada familia, caso haja mas de uma na mesma casa ex.(quando uma mora em cima e outra na parte de baixo).

** Os tres primeiros meses, de adptação os moradores pagaram por apenas 150 Kilo wats mes. depois disso cada um paga o que consumir.
è aconselhado que procurem programas do Governo para moradores de baixa renda, tal como: Bolsa familia, renda minima etc.

** As contas que estão atrazadas, serão caducadas, (Não serão mas cobradas). então ninguem deve por enquanto NADA a Eletropaulo.

** Quem mora no barraco, mas a conta esta em nome de terceiros, ira regularizar para o seu nome, e o antigo dono estara livre da divida, caso exista.

** Quetionamos a Eletropaulo sobre a iluminação nos becos e vielas, ja que quem ilumina esses corredores é o proprio morador, que puxa um bico de luz, MAS A RESPONSABILIDADE E DA PREFEITURA,
Nos responderam que a eletropaulo vai fazer este serviço colocando luminaria, mas não a curto prazo, pois esta é uma responsabilidade da (ILUME), e que apesar da eletropaulo fazer esti por nós, não terão como fazer a manutenção e nem os reparos.
POR ISSO NOS ORGANIZAREMOS E COBRAREMOS A PREFEITURA.
O Cadstramento começara na segunda feira dia 22/09.

SEM MAS

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Reunião Sabado ELETROPAULO E COMUNIDADE

Neste Sabado as 13 horas no Maloca Espaço Cultural tera reunião com a eletropaulo.
è muito importante a comunidade estar´presente.
_sera reorganizada as caixas e relogios de luz
= Nos pas sarão informes de como obter a taxa minima.
= Quando irão mexer nas caixas.

Compareçã, para juntos brigarmos por melhorias,
Senão só eles falam.

Maloca Espaço Cultural Antigo centro comunitario CDHU

sábado, 13 de setembro de 2008

Viuva de Paulo Freire X Revista Veja

A todas e todos que conhecem ou ao menos escutaram falar de Paulo Freire e seu trabalho..pessoalmente não conheço todo seu trabalho, mas a revista Veja cada dia mais indigesta e totalmente tendenciosa no sentido mais cruel da palavra...faz o grande favor de desprezar e tentar defamar este senhor que concordando ou não com seu método contribui todavia para a formação de muitas e muitos que não tiveram as oportunidades que os JORNALISTINHAS VEJINHANOS tiveram.....
deixo aqui meu repúdio..........sandrinha
sandrinhappr@hotmail.com

VIÚVA DE PAULO FREIRE ESCREVE CARTA DE REPÚDIO À REVISTA VEJA
Publicado em 12 de setembro de 2008 às por CONCEIÇÃO LEMESN
a edição de 20 de agosto a revista Veja publicou a reportagem O que estão ensinando a ele?
De autoria de Monica Weinberg e Camila Pereira, ela foi baseada em pesquisa sobre qualidade do ensino no Brasil. Lá pelas tantas há o seguinte trecho:'Muitos professores brasileiros se encantam com personagens que em classe mereceriam um tratamento mais crítico, como o guerrilheiro argentino Che Guevara, que na pesquisa aparece com 86% de citações positivas, 14% de neutras e zero, nenhum ponto negativo. Ou idolatram personagens arcanos sem contribuição efetiva à civilização ocidental, como o educador Paulo Freire, autor de um método de doutrinação esquerdista disfarçado de alfabetização.
Entre os professores ouvidos na pesquisa, Freire goleia o físico teórico alemão Albert Einstein, talvez o maior gênio da história da humanidade. Paulo Freire 29 x 6 Einstein.
Só isso já seria evidência suficiente de que se está diante de uma distorção gigantesca das prioridades educacionais dos senhores docentes, de uma deformação no espaço-tempo tão poderosa, que talvez ajude a explicar o fato de eles viverem no passado'.
Curiosamente, entre os especialistas consultados está o filósofo Roberto Romano, professor da Unicamp. Ele é o autor de um artigo publicado na Folha, em 1990, cujo título é Ceausescu no Ibirapuera.
Sem citar o Paulo Freire, ele fala do Paulo Freire. É uma tática de agredir sem assumir. Na época Paulo, era secretário de Educação da prefeita Luiza Erundina.

Diante disso a viúva de Paulo Freire, Nita, escreveu a seguinte carta de repúdio:'Como educadora, historiadora, ex-professora da PUC e da Cátedra Paulo Freire e viúva do maior educador brasileiro PAULO FREIRE -- e um dos maiores de toda a história da humanidade --, quero registrar minha mais profunda indignação e repúdio ao tipo de jornalismo, que, a cada semana a revista VEJA oferece às pessoas ingênuas ou mal intencionadas de nosso país.
Não a leio por princípio, mas ouço comentários sobre sua postura danosa através do jornalismo crítico.
Não proclama sua opção em favor dos poderosos e endinheirados da direita, mas , camufladamente, age em nome do reacionarismo desta.
Esta vem sendo a constante desta revista desde longa data: enodoar pessoas as quais todos nós brasileiros deveríamos nos orgulhar. Paulo, que dedicou seus 75 anos de vida lutando por um Brasil melhor, mais bonito e mais justo, não é o único alvo deles. Nem esta é a primeira vez que o atacam.
Quando da morte de meu marido, em 1997, o obituário da revista em questão não lamentou a sua morte, como fizeram todos os outros órgãos da imprensa escrita, falada e televisiva do mundo, apenas reproduziu parte de críticas anteriores a ele feitas.
A matéria publicada no n. 2074, de 20/08/08, conta, lamentavelmente com o apoio do filósofo Roberto Romano que escreve sobre ética, certamente em favor da ética do mercado, contra a ética da vida criada por Paulo. Esta não é, aliás, sua primeira investida sobre alguém que é conhecido no mundo por sua conduta ética verdadeiramente humanista.Inadmissivelmente, a matéria é elaborada por duas mulheres, que, certamente para se sentirem e serem parceiras do 'filósofo' e aceitas pelos neoliberais desvirtuam o papel do feminino na sociedade brasileira atual. Com linguagem grosseira, rasteira e irresponsável, elas se filiam à mesma linha de opção política do primeiro, falam em favor da ética do mercado, que tem como premissa miserabilizar os mais pobres e os mais fracos do mundo, embora para desgosto deles, estamos conseguindo, no Brasil, superar esse sonho macabro reacionário.
Superação realizada não só pela política federal de extinção da pobreza, mas , sobretudo pelo trabalho de meu marido – na qual esta política de distribuição da renda se baseou - que demonstrou ao mundo que todos e todas somos sujeitos da história e não apenas objeto dela. Nas 12 páginas, nas quais proliferam um civismo às avessas e a má apreensão da realidade, os participantes e as autoras da matéria dão continuidade às práticas autoritárias, fascistas, retrógradas da cata às bruxas dos anos 50 e da ótica de subversão encontrada em todo ato humanista no nefasto período da Ditadura Militar.Para satisfazer parte da elite inescrupulosa e de uma classe média brasileira medíocre que tem a Veja como seu 'Norte' e 'Bíblia', esta matéria revela quase tão somente temerem as idéias de um homem humilde, que conheceu a fome dos nordestinos, e que na sua altivez e dignidade restaurou a esperança no Brasil. Apavorada com o que Paulo plantou, com sacrifício e inteligência, a Veja quer torná-lo insignificante e os e as que a fazem vendendo a sua força de trabalho, pensam que podem a qualquer custo, eliminar do espaço escolar o que há de mais importante na educação das crianças, jovens e adultos: o pensar e a formação da cidadania de todas as pessoas de nosso país, independentemente de sua classe social, etnia, gênero, idade ou religião.
Querendo diminuí-lo e ofendê-lo, contraditoriamente a revista Veja nos dá o direito de concluir que os pais, alunos e educadores escutaram a voz de Paulo, a validando e praticando. Portanto, a sociedade brasileira está no caminho certo para a construção da autêntica democracia.
Querendo diminuí-lo e ofendê-lo, contraditoriamente a revista Veja nos dá o direito de proclamar que Paulo Freire Vive!

São Paulo, 11 de setembro de 2008Ana Maria Araújo Freire'.

terça-feira, 9 de setembro de 2008

DJ PRIMO Faleceu nesta segunda feira

O DJ Alexandre Muzzillo Lopes, 28 anos, conhecido como DJ Primo, morreu na madrugada desta segunda-feira em São Paulo, vítima de pneumonia.
Primo, que já trabalhou com nomes como Marcelo D2, Afrika Bambaata, Helião e Negra Li, entre outros, deu entrada no hospital por volta da 1h30 da manhã e morreu cerca de três horas depois.
O DJ começou a carreira em 1996 e desde 2002 morava em São Paulo, onde apresentava o programa Manos e Minas ao lado do rapper Rappin Hood.
O corpo de Primo deve ser enterrado em Curitiba, sua cidade natal.

sexta-feira, 5 de setembro de 2008

Batalha de Freestyle / Preconceito Regional

M.A..M.U.T.I. O Poeta Glacial disse...


Bom,Quanto a batalhas de freestyle.1- Só não é permitido xingar a mãe (ERRADO)Nas batalhas consideradas sérias, a organização e o público abominam mc's que usem de preconceito regional, raça, credo e etc.(Vide Liga dos MC's Etapa São Paulo, em que MC Cabeção diz que o MC Jhon tinha cabeça de Bahiano, e o público vaiou-o levando-o a derrota na batalha...sem precisar ir muito atrás no tempo, na rinha dos mc's especial de 2 anos no holle club que ocorreu no dia 26 de Julho deste ano, o MC Jun BV falou da corrente de Oxalá do MC Leozinho e isso resultou na derrota do MC Jun...)Bom, so quero chegar no ponto de - o preconceito só sobrevive onde tem ibope, se o público repreende essa atitude o MC para, até porque na hora em que se está rimando estamos lá para agradar o público, quanto mais o público grita, mais o mc se empolga.

É amanhã !!!

É Amanhã !!!
Sarau do Caldo
O sarau mais delicioso de São Paulo
Participem !
Maloca Espaço Cultural
Rua Particular,556
Parque Bristol

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Batalha de Free Style / Preconceito Regional

O Hip Hop chega ao Brasil no finalzinho da década de 70 (época de ditadura militar) e já em meados dos anos 80 começa a apresentar suas primeiras produções. “Personagens” como Pepeu, Mc Pomel, Mc Jack, produzem um Rap descontraído, sem muitas críticas sócias, mas sempre atento às questões de raça de região. Após a segunda metade dos anos 80 (fim da ditadura militar) o Rap tem produções que denunciam, de forma direta e primeiro que qualquer outro tipo de arte no país, o racismos, a polícia e os ricos.
Nos anos 90 o Hip Hop ferve em todo país. Em São Paulo, no Vale do Anhagabaú, reuniam-se em um evento de Hip Hop cerca de 80 mil pessoas. No Palmeiras os eventos de Hip Hop eram lotados por deis, sete mil pessoas numa só noite. Apresentação após apresentação, discurso após discurso. As festas de rua e os famosos “Pedágios”, organizados por algumas emissoras de rádio, levavam para dentro dos bairros da periferia paulistana 15, 20 grupos de rap num só evento. Tudo isso acompanhado de grafite, break, música boa e uma boa dose de denúncia ao racismo, à polícia e aos ricos. Surgiram as Posses de Hip Hop (Força Ativa, Haussa, Aliança Negra e muitas outras). Reforçando ainda mais discussão política dentro do Hip Hop. Eu mesmo e minha família fazemos parte de uma que surgiu no final dos anos 90 e que persiste até hoje, a “Poder e Revolução”.
Quem é negro, quem é favelado sabe o quanto esse momento do Hip Hop contribuiu para a construção de nossa identidade e de nosso auto-estima. Quem está ou esteve atento ao cenário político sabe também que os shows no Anhangabaú foram proibidos porque a prefeitura de São Paulo passou a considerá-los perigosos demais, era muito e preto e pobre num só lugar. Os ricos, a polícia e os racistas tremiam na base diante da força coletiva e das fortes denúncias. Sabe também que o Hip Hop sério é feito para a classe pobre e pela classe pobre e que tem um compromisso com esta.
Aí, outro dia, presenciei no “Maloca Espaço Cultural”, em um evento que discutia racismo, uma batalha de Free Style e me deparei com um momento onde um tal mc Tampão se referia ao mais velho mc da quebrada do Parque Bristol, (MC TERNO) como: cearense da cabeça grande, cearense passa fome e outras piadinhas mais que muitas pessoas nascidas nas cidades, principalmente, de São Paulo e Rio de Janeiro costumam fazer contra o povo nordestino. Aí me lembrei do “Sabotage” que dizia: Rap é compromisso, não é viagem... . E fiquei com saudade daquele momento do Hip Hop, onde vários grupos que hoje estão no alto cenário da música invadiam os bairros de periferia e faziam shows mesmo com uma microfonia terrível e de graça. Aí me perguntei: Será que Hip Hop se distância do povão na medida em que vai se profissionalizando. Porque tenho observado que vários moleques entre dezesseis e vinte anos nunca participaram de um evento de Hip Hop. Nunca viram um show de rap ao vivo. Ficam paralisados na frente da TV vendo uma pa de DVD de rap dos EUA, que eles chamam de black, muitas vezes sem saber que black quer dizer preto. Desde que chegou ao Brasil o Hip Hop tem contribuído com os pretos e com os pobres. Não há nada nem ninguém no país que ofereça para a única classe que, constantemente, apanha da polícia, a única classe que só é explorada sem nunca explorar ninguém, auto-estima e identidade. Só o Hip Hop. Só o Hip Hop oferece ao povo da favela uma discussão política que não seja eleitoreira.
Por isso faço de novo a pergunta: Em batalhas de Free Style vale de tudo? O rap compromisso virou viagem?

Ass.: Du

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

GOG Comenta batalha de Free Style / Preconceito Regional

Salve Du,

O tema que vc abordou é muito interessante e eu já havia percebido.
Nos idos de 2003 eu e o Flagrante do Realidade Cruel conversávamos sobre esse assunto e ele falou uma coisa interessante:
"- No freestyle falam o que querem, rapidamente, muitas vezes sem medir as palavras, mas na favela é diferente: Tem que pensar muito antes de falar, de agir.."
Na sequência eu disse para ele: Irmão esse é o Movimento Rap, que vende o artístico, e deixa de lado o debate sério. Nós somos do Movimento Hip Hop, e nossa origem, embora próxima, é diferente.
Hoje anos depois, percebo que muito pouca coisa mudou e que esse estilo, com raras excecões continua sem medir as consequências, pariorizando apenas a levada e a plástica.
Concluindo irmão, tal fato eleva ainda mais a responsabilidade do movimento hip hop em trabalhar temas, levantar discussões, ir a campo e conversar com nosso povo olho no olho.

Forte abraco, esse foi um bom tema e taí minha sincera opinião.


Com respeito,

GOG!

sábado, 30 de agosto de 2008


Pano Pra Manga - Batalha de Fre Style e Preconceito Regional


Batalha de Free Style / Preconceito Regional

O Rap Compromisso virou viagem?
Piadas contra negros, valem nas batalhas?
E contra mulheres, gays, pessoas com deficiência?
Só não vale falar da mãe, né? De todas as outras mulheres pode falar?
Quem conhece o Hip Hop de verdade sabe que esse vale tudo das batalhas é um retorcesso. Uma volta ao Rap-brincadeira, longe dos protestos sérios que não admitem preconceito.
Não conheço rappers sérios, de atitude, que falem mal de nordestinos, negros, mulheres, etc.
Nem por brincadeira, nem por dinheiro.
Acho importantíssima essa discussão.
Dinha

No dia 27/07/2008 presenciei uma batalha de Free Style em um evento da Semana Martin Luther King e Vivendo Improvisando entre os Mc´s Terno e Tampão. O mc Tampão foi consagrado o vitorioso da batalha, mas poderíamos considerá-lo um MC NAZISTA. Pois não foram poucas as vezes que ele se referiu ao MC Terno como: Cearense da cabeça grande, passa fome nordestino e outras formas que somente um NAZISTA utiliza quando se dirige a um NORDESTINO. Por isso, declaro o MC Terno o campeão social e político daquela batalha.Aproveito para deixar uma pergunta: Piadas contra negros também são comuns nas rimas do Mc Tampão???
Postado por Du às 12:24

comentários:
Paulo Henrique disse...
com todo respeito a pessoa que elaboro esse comentario,mas acho de extremo mal gosto se referir ao tampão como "mc nazista" pois se vc se lembra ele é negro.Já em relação ao tema colocado como "preconceito regional",considero como um equivoco mau elaborado e distorcido do que realmente significa uma batalha de mcs,pois numa batalha de mcsm tudo é possivel, menos falar da mãe,a pessoa q elaboro esse topico teve uma visão ÚTOPICA em relação ao tampão, e se alguem tiver gravado a batalha inteira vai ver q o mc tampão deixou bem claro no final da batalha que não existe preconceito no nosso hip hop o verdadeiro aquele q nasceu na rua e continua lá.Fico triste em saber q tiveram pessoas que não estavam na festa para se divertir e sim para julgar indevidamente um daqueles q ajudou a promover uma festa tão bonita q esta me rendendo muitos elogios.Quero deixar bem claro q não existe nem nunca existiu preconceito regional muito menos regional...pois se vc considera as piadas das batalhas de mcs de mau gosto, tanto no Brasil quanto ao redor do mundo só existem "MCs NAZISTAS".RICK MC E AMIGO DE TERNO E TAMPAÕ..e acima de tudo apreciador da verdadeira cultura HIP HOP!!!!!!!!
26 de Agosto de 2008 20:00
Du disse...
Pessoal vamos prestar a atenção no que estão dizendo as pessoas. UTOPIA é uma palavra muito bonita,mas pouco compreendida (é só ver no dicionário).Depois para sabermos o que é ou não é nazismo, temos que estudá-lo, não dá pra ficar no achismo. Já existem noticias de vários grupos simpaticos ao nazismo que tem entre seus membros pessoas negras. Depois precisamos lembrar que os japoneses não são arianos, mas também apoiaram Hitler na segunda guerra. Sem dizer que o Pitta é negro e o Agnaldo Timótio também...Toda brincadeira tem um fundo de verdade !!!E novamente faço a pergunta ? Se na batalha vale tudo será que o mc Tampão usa em suas batalhas rimas contra pessoas negras ?Assinado: Du
28 de Agosto de 2008 09:42

GABRIEL disse...
aii... com todo respeito...essa pessoa que diz que houve preconceito nessa batalha, ou quer causar polemica ou naum conhece nada sobre batalhas de mc... se vc não é mestre cuca naum tem pq dar palpite no tempero alheio... e outra... esse tipo de piada sempre acontece em batalhas... mais um motivo para naum deixar duvidas é que sempre é dito nas batalhas que na hora que vc tah batalhando o outro mc é seu "inimigo" mas depois disso a amizade e o carater dos dois prevalece (e isso qualquer leigo sabe, não precisa ser mc). existe um respeito entre os dois que vai alem das rimas entaum uma fraze que possa ser usada numa batalha naum pode ser considerada preconceituosa pois naum foi uma agreção direta ao proximo quem achar que é entaum está no lugar errado e muito mal informado (a) ass: mais um mc inconformado com quem não tem oq fazer e quer pq quer dar palpite no que naum conheceVÁ ESTUDAR!!!!CULTURA PREVALECE!
28 de Agosto de 2008 14:01

Paulo Henrique disse...
Sinceramente se seu problema é contra o Nazismo,vc tem q criticar o nazismo.Esquece o Hip Hop porq isso não é seu assunto.Pra entender o Hip Hop não é preciso fazer faculdade alguma,é preciso viver o hip hop,conhecer as ruas conhecer a tribos urbanas conviver com elas....se algum dia vc passar por isso vc vai peceber q os livros falam uma coisa mas na prática aq em São Paulo é outra,quantos nazistas ou skin heads ou "Carecas" vc conhece?Pegunte a eles se o Tampão ou qualquer outro mc é nazista?Teorias baseadas no que aconteceu ou acontece em outros países não é válido,oque é válido é oque acontece nas ruas...acho q os nazistas tevem ter mais oq fazer do que virem no VIVENDO e IMPROVISANDO para participar de uma batalha de freestyle...Espero sinceramente q esse mau entendido...tenha servido para deixar claro q nazista é nazista e MC é MC.Agora, se ouver algo pessoal contra o Tampão deve ser falado pessoalmente porq ficar falando mau dos outros pelas costas é FEIO, pessoas que se achão tão inteligentes deveriam saber disso!!!RICK
28 de Agosto de 2008 14:43
HBT disse...
Esta postagem foi removida pelo autor.
28 de Agosto de 2008 15:49
Dinha disse...
Esta postagem foi removida pelo autor.
29 de Agosto de 2008 10:00
Dudu de Morro Agudo disse...
Grande Du, não conheço esse MC Tampão, conheço apenas o Terno, que é meu amigo particular e além disso é um cara super politizado e consciente de sua posição na sociedade.Gostaria que vocês escrevesse um texto para publicarmos em nossos portais, para que atitude como essa não seja mais cometida por esse mc Tampão.Assinado: Dudu de Morro AgudoPostado por: Du
29 de Agosto de 2008 10:04
Dinha disse...
Aí pessoal é bom lembrar que estamos fazendo uma discussão. E que até agora as pessoas que entraram no debate estão se tratando com respeito e sem ofenças pessoais. O Rick tem dado um bom exemplo disso.A discussão não é pessoal.Ass: Du
29 de Agosto de 2008 10:51

sexta-feira, 22 de agosto de 2008

Sobre a Bienal do Livro

"Irmão, o demônio pode tudo a seu redor
pelo rádio, jornal, revista e outdoor.
Te oferece dinheiro, conversa com calma,
contamina seu caráter, rouba sua alma.
Depois te joga na merda sozinho.
Transforma um preto tipo A num "neguinho".

Racionais Mc´s... das antigas

segunda-feira, 18 de agosto de 2008

Confronto Final

Para o pai do "Plin", 10 dias após o confronto final

E nós sabemos que aqui há guerra
que a vida diária é luto
que a luta armada é óbvia
- só não são os inimigos.

Sabemos que a fome é batalha diária dos intestinos
que erguendo ou não as armas,
cometemos suicídio.

De repente,
escrever poesia,
como quem ergue um copo de vinho
e gritar ao amor! ao amor! à ternura...
redescobrir espasmos, vermelhidão, gritos gagos
ao caso! ao acaso! ao acaso!

logo, as histórias serão outras.
Outros tempos e pessoas
renascendo dessas cinzas.

logo esse sangue derramado
será lembrança de atalho
quase destruído.

e brindar com poesia
esse surto de loucura,
não será alheamento,
não será mais absurdo.

(São milhares de soldados
sangrando nos becos fechados
sem saber do inimigo)

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

festa

Planalto pela paz
show com os grupos:
Walter Limonada
Charme B
Clã Raça Forte
RH2P
Pânico Brutal
Poder da Mente
SP Charme
Submundo Racional
Lado Obscuro
Dani 2Pac
Renatinho e Alemão
e muito mais...
Dia : 17/08 - 13:00 às 20:00
Local: Rua Pedro Padovani
è só chegar e curtir !!!

Essa é a HORA


É amanhã dia 14 à 24 - No anhembi.
Ônibus grátis saindo no terminal Tietê.
20° Bienal Internacional do Livro de São Paulo 2008

terça-feira, 12 de agosto de 2008

SEMANA MARTIN LUTHER KING " 2 º dia "






DEBATE SOBRE: " NEGRITUDE, O NEGRO NA SOCIEDADE CAPITALISTA E GRUPOS RACISTAS"






No segundo dia era pra haver os debates acima, mas não houve, infelismente por falta de pessoas, apenas não debatemo sobre os temas, mas houve um debate bem legal sobre o bairro, onde estavam : Dú, Dinha, Dogão, Richard punk, Careca e até a minha mãe apareceu, conversamos sobre coisas que o bairro necessita, e todos chegamos a um ponto, precisamos de um esquema de proteção entre os moradores massiva, e o inimigo ninguém mais ninguém menos que a policia de são paulo, que vem atuando em bairros como o nosso com aqula velha forma de sempre, "violencia", chegamos ao ponto de, que, se os moradores não se protegerem entre eles(nós), não vai ter jeito, cada dia que passar vai haver mais brutalidade por parte da policia, a dinha me disse sobre uma foto, que eu fiquei muito chocado, era uma foto do dia da inauguração do maloca,onde no final da festa pediram para alguns garotos que estavam no local ficarem na parede, tipo time de futebol, e tiraram a foto, isso a uns 3 ou 4 anos atrás, eram em torno de 25 jovens, hoje, com vida, existem apenas uns 2 ou 3, e a maioria foi morto pela policia, muito foda, penso nisso quase o tempo todo, nas ações da policia ,eles chegam já atirando pra matar, é dificil, algumas pessoas dirão: mas eles estavam roubando ou fazendo algo do tipo, são coisas que tem que acontecer........... Mas eu digo para esses que dirão isso: pare e pense nesse sistema capitalista em que vivemos, nem todos nascem com escolhas, os que tem a opção de escolher nos dias de hoje pode considerer-se privilegiado, esse sistema nos distroe aos poucos, deixam as drogas se alastrarem nas periferias, pra um irmão acabar com o outro, é conveniente para nossos governantes que isso aconteça, pra eles são apenas alguns marginais a menos. ( Galera desculpa o desabafo ), então foi isso, tivemos uma conversa bem legal, chegamos a mesma conclusão todos, e assim se resumiu o segundo dia da semana martin luther king.............

segunda-feira, 11 de agosto de 2008

Semana Martin Luther King "1º dia"






APRESENTAÇÃO DO FILME " PANTERAS NEGRAS" Tratamento de choque para a américa branca.






No primeiro dia criou-se aquela espectativa, colocamos antes o desenho do kiriku para as crianças, lotou de mulekada o espaço, foi divertido pra caramba, mas na hora do filme não foi muito o que esperavamos, as crianças foram todas embora, no começo não tinha muita gente, mas depois aos poucos foi colando, entre crianças e adultos que ficaram, foram umas 20 pessoas, alguns amigos deram um apoio, colaram, assistiram o filme, trocaram uma ideia, foi bem bacana, o filme é animal, é um tapa na cara de qualquer um, todo o sistema dos panteras, a organização, as sedes, muito bom, recomendado, todos que ficaram e assistiram gostaram muito, uma pena nem todos do núcleo teram vindo, uma pena mesmo, antes dos filmes, a dinha e o dú deram mo talento no espaço, limparam, decoraram o espaço com algumas fotos do m.l.k., com umas bandeiras verde amarelo e vermelho, muito legal, o ruim deste primeiro dia, foi que apareceu um cara da sabesp e cortou a água do espaço por falta de pagamento, estamos sem grana nenhuma, quem puder ajuda, fique a vontade..........

Semana Martin Luther King no Maloca



"A CORRERIA DA DIVULGAÇÃO"

Salve galera, demoro mais tá aqui, algo a mais sobre a semana Martin Luther King no Maloca, vamos começar pela correria da divulgação.....ae a parada foi loka,primeiro fizemos um esquema tipo subversivo, colamos varias imagens com frases do m.l.k. na quebrada( entre bristol, caraguatá e savério) no primeiro dia saimos, a dinha, o dú, careca,, fredy, meg, jenifer, a sara(a mais jovem militante do nucleo, não faltou um só dia),e eu claro, foi legal pra caramba, nos divertimos bastante, depois nos outros dias, fomos mais a dinha, o dú, a sara e eu, colamos na ourives, na padre arlindo, na cursino e nos bairros, detonamos, colamos em alguns busão tb, até hoje ainda vejo alguns onibus passando com o cartaz, apesar da falta de força do núcleo, conseguimos fazer bastante coisa, as tretas foram as xerox, mas um apertãozinho aqui, outro ali deu pra fazer tudo, desde os convites até o zine, valeu a colaboração de todos que colaboraram, e quem não foi perdeu, foi muito legal!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!